domingo, 26 de fevereiro de 2012

Final da Taça Guanabara 1º turno do Campeonato Carioca

Enfim, acabou o jejum! O Fluminense vence o Vasco por 3x1 e levanta a Taça Guanabara. Fred duas vezes e Deco marcaram para o Flu e Eduardo Costa diminuiu para o Vasco. Agora, o Fluminense já está na decisão do Campeonato Estadual, se não vencer também a Taça Rio.

Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 26 de fevereiro de 2012
Público: 31.276 pagantes Renda: R$1.094.535,00 
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ) 
Assistentes: Rodrigo Joia (RJ) e Rodrigo Correa (RJ) 
Cartões amarelos: Eduardo Costa e Juninho Pernambucano (Vasco); Diguinho, Deco e Wellington Nem (Fluminense) 
Gols: 
VASCO: Eduardo Costa, aos 37 minutos do segundo tempo. 
FLUMINENSE: Fred (pênalti), aos 36, Deco, aos 42 minutos do primeiro tempo; Fred, aos 11 minutos do segundo tempo.

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Dedé, Rodolfo e Thiago Feltri (Felipe); Nilton, Fellipe Bastos (Eduardo Costa), Diego Souza e Juninho Pernambucano; Wiliam Barbio (Kim) e Alecsandro 
Técnico: Cristóvão Borges

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Leandro Euzébio, Anderson e Carlinhos (Carleto); Valencia, Diguinho, Deco e Thiago Neves (Rafael Moura); Wellington Nem (Jean) e Fred 
Técnico: Abel Braga




O Fluminense ignorou os tabus, de não vencer clássicos há 12 jogos, de não ganhar a Taça GB desde 1993 e os 100% do Vasco e venceu por 3x1 a grande decisão!


Desde o começo do jogo o Fluminense partiu pra cima do Vasco, usando a velocidade do Wellington Nem, o melhor jogador da partida, que levava o Fágner à loucura. Deco também destruía na armação, com toques de muito efeito. O time do Vasco levava perigo pela movimentação do Willian Barbio pela direita. Fred estava apagado, errando passes, mas prendia toda a marcação dentro da área, deixando o Nem e o Thiago Neves jogarem livres. Bruno ganhou todas do Feltri, mas Carlinhos perdia tudo para o Fagner. Mas o Nem estava a fim de acabar com o jogo mesmo, e numa jogada dele saiu o primeiro gol, em que o garoto cria de Xerém deitou e rolou em cima do lateral direito do Vasco, que não teve outra alternativa, pênalti pro Flu. Fred bateu e marcou o primeiro: Flu 1x0, aos 36 minutos. Depois, a Magia entrou em cena, com Deco, que eu, confesso, pedi a saída dele do Flu, quando era frequente a permanência dele no DM. O camisa 20 pegou uma bola, e ele acabou de confessar, viu o goleiro adiantado e botou lá na gaveta: 2x0 Flu, 41 minutos. No finalzinho, Thiago Neves entrou sozinho, depois de roubar uma bola, mas perdeu a chance de fazer o terceiro. Mas na segunda etapa, o gol saiu! Thiago Neves enfiou uma bola certinha para o Fred, que bateu de primeira, no canto do Fernando Prass: 3x0, logo aos 11 minutos. Desta vez, o Frederico não puxou a responsabilidade pra si, fez o que dele se espera, gols! Depois, o time recuou, levou um certo sufoco, mas a defesa estava bem colocada, com o Bruno chutando pra tudo que é lado. E quando precisou, Diego Cavalieri estava lá pra garantir. E ainda teve duas boas oportunidades que o time poderia transformar o placar em goleada, com Thiago Neves e Wellington Nem entrando livres, mas perdendo boas chances. No final, o Vasco diminuiu com Eduardo Costa, de cabeça, depois de cruzamento do Juninho, pressionou demais o Flu, a bola passava perto da área do Cavalieri, mas nada iria estragar a festa tricolor nas arquibancadas e em todo Brasil. O Vasco tem a melhor campanha? Sim. Tem um time bem certinho? Sim. Mas o Flu tem mais jogadores que decidem, como Thiago Neves, Deco, Wellington Nem e Fred. E isso faz muita diferença. Quando os craques querem resolver, não tem pra ninguém. Enfim o time jogou o que se espera de um elenco que foi montado cercado de muita expectativa. E venceu um clássico quando realmente importa: na final!

Saudações tricolores, vence o Fluminense, campeão da Taça Guanabara!

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Semifinais da Taça Guanabara 1º turno do Campeonato Estadual

Agora só restam dois times que vão decidir quem leva a taça!
Dois grandes jogos definiram os finalistas da 48ª edição da Taça Guanabara, 1º turno do Campeonato Carioca. Vasco e Fluminense venceram os seus duelos contra Flamengo e Botafogo e fazem a final neste domingo, as 16 horas, no Engenhão.





Local: Estádio João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 22 de fevereiro de 2012
Público: 18.305 pagantes  Renda: R$590.240,00
Árbitro: Luís Antônio Silva dos Santos (RJ) 
Assistentes: Luiz Muniz de Oliveira e Eduardo Couto (ambos do RJ) 
Cartões amarelos: Thiago Feltri e Fellipe Bastos (Vasco); Ronaldinho Gaúcho e Negueba (Flamengo) 
GOLS VASCO: Alecsandro, aos 14min do primeiro tempo; Diego Souza, aos 32min do segundo tempo 
FLAMENGO: Vágner Love, aos 2min do primeiro tempo

VASCO: Fernando Prass; Fagner, Rodolfo (Renato Silva), Dedé e Thiago Feltri; Nilton, Fellipe Bastos, Juninho Pernambucano (Felipe) e Willian Barbio (Kim); Diego Souza e Alecsandro 
Técnico: Cristóvão Borges

FLAMENGO: Felipe; Leonardo Moura (Galhardo), Gustavo, Welinton e Junior Cesar; Aírton (Negueba), Willians, Renato Abreu e Ronaldinho Gaúcho; Vagner Love e Deivid (Bottinelli) 
Técnico: Joel Santana

100%.

Nada poderia definir melhor o time do Vasco da Gama nesse momento. 100% é a totalidade, não é uma parte, é tudo, no caso, todos.
O Bacalhau cumpriu seu dever durante os jogos regulares do primeiro turno. Venceu sem questionamento todos os adversários de sua chave (tirando, claro, uma ou outra reclamação de arbitragem). Nos aqui do Bar do Mourinho, sabíamos que o Vasco tinha tudo para se manter 100% nessa semifinal contudo existia um tabu recente: a oito jogos não ganhávamos os mulambos. Ora, parte de nossos desejos vascaínos, não conseguia se contentar com esse período de jejum de vitória.

Assim que começou o jogo parecia que este tabu continuaria, pois Wagner Love com um drible e um belo chute marcou para a urubuzada. Aquele pastel tão gostoso, põem tão oleoso que a mulata que cozinha para o Mourinho sempre faz começou a descer com maior dificuldade por nossas gargantas secas. Pois já estávamos prevendo uma partida nervosa e difícil para o Gigante da Colina. Porém, como se os deuses do futebol em um dos seus dias mais inspirados, trouxe a aquele campo do Engenhão toda a magia que o futebol e no clássico pode ter. Aos 14 minutos Alecsandro numa bola rebatida pelo Felipe, que na verdade foi um petardo disparado pelos pés do Reizinho Pernambucano, trouxe nova esperança a torcida de São Januário. Momentos depois os torcedores cruzmaltinos sentiriam em seus íntimos a maravilhosa risada da vitória; o que poderia mais afirmar essa suspeita do que o gol perdido por Deivid? Uma bola dessa inacreditavelmente perdida só poderia significar que era o dia do Vasco.

Tudo bem que o jogo na segunda fase perdeu um pouco de ritmo e em certos momentos você só via chutes tanto de um lado quanto do outro, que revelava não apenas as dificuldades dos jogadores em armar tramas de armadas mais elaboradas como também atenção que o jogo os impunha. Logo depois da marca dos 30 minutos ser ultrapassada, o Vasco ampliou o seu placar, pela cabeceada certeira de Diego Souza, que novamente aproveitou uma bola rebatida por Felipe.

O Flamengo ainda tentou de todas as formas empatar o jogo, fazendo uma pequena pressão nos últimos minutos, mas sem resultado nenhum. Vasco da Gama venceu o urubu depois de oito jogos, numa semifinal muito bem jogada. Quem poderia dizer que essa historia toda não merece um 10 ou melhor, merece um 100.
100%
Saudações Vascaínas.




Aprendi a xingar em vários idiomas 

Quem disse que o Estadual não é importante? Flamengo perde na "estréia" do Campeonato Carioca. Deu Vasco 2 X 1. No primeiro jogo pra valer no estadual parecia que os problemas de objetividade tinham se resolvido apesar da escalação cautelosa de Joel. Porque o Fla entrou disposto a decidir, tocando a bola rápido e sufocando a saída de bola do cruzmaltino.
E foi recompensado por isso logo aos 3 quando Vágner Love driblou Fágner e acertou um chutaço de canhota e 1 X 0 Mengão. O jogo ficou a feição do rubro-negro que alugava o meio campo, mas do outro lado Juninho era um deserto de lucidez vascaína em campo e aos 14 chutou com efeito, Felipe falhou espalmando nos pés de Alecsandro que não desperdiçou 1 X 1.
Daí o clássico ficou movimentado: correria, técnica, enfim, muito bem jogado. Juninho justificava o apelido de Reizinho da Colina, Fágner tramava boas jogadas pelo seu setor, Dedé era um muro erguido a frente da área enquanto Léo Moura e Vágner Love se destacavam pelo Flamengo. As chances se sucediam e Diego Souza perde um gol de cabeça. Deivid lançado por Renato Abreu chuta para boa defesa de Fernando Prass e Felipe também trabalhou bastante após o gol vascaíno.
Até que Tiago Feltri bobeia Léo Moura o desarma faz boa jogada e cruza rasteiro a bola passa por Fernando Prass e sobra pra Deivid de frente pro gol vazio, dentro da pequena área. Já levantei pra comemorar quando ele CONSEGUIU perder o lance de forma bizarra. Ao que, prontamente, gritei: -"Seu #@amp;* #!#%#@ %amp;%$%¨&$ %¨%¨$%...". Estou xingando o rapaz até agora em vários idiomas consegui xingá-lo provavelmente até em japonês, aramaico, russo e assemelhados... Bom após essa bizarrice é claro que o time se abateu e não criou nada que prestasse até o fim do primeiro tempo. Depois do intervalo nenhuma alteração e jogo que segue sem o ritmo alucinante do inicio do jogo que ficou truncado, estudado, em certos momentos feio. Ficou claro que alguma desatenção custaria caro as defesas estavam levando vantagem sobre os ataques.
Para mudar o panorama os treinadores começaram a substituir. Saíram Deivid, visivelmente abalado, para a entrada de Bottinelli. E Juninho para a entrada de Felipe. William Barbio, importantíssimo no esquema vascaíno, saiu com cãibras substituído por Kim. O Flamengo se adaptou melhor as mudanças e exerceu um certo domínio levando duas vezes perigo à meta cruzmaltina.
Porém, Kim cruzou, Fágner cabeceou para defesa parcial de Felipe e Diego Souza testou para sacramentar a virada. Negueba entrou para (dar força ofensiva?) ao rubro-negro. Mesmo assim Fernando Prass sequer sujou o uniforme. Fim de jogo e de primeiro turno para o Flamengo e méritos totais para o Vasco vencedor neste bom clássico.





Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 23 de fevereiro de 2012 
Público: 17.027 pagantes   Renda: R$ 541.615,00
Árbitro: Péricles Bassols Cortez (RJ) 
Assistentes: Wagner Santos (RJ) e Jackson Lourenço dos Santos (RJ) 
Cartão Amarelo: Antonio Carlos(Bota); Edinho(Flu) 
Gols: BOTAFOGO: Elkeson aos 29 minutos do segundo tempo 
FLUMINENSE: Leandro Euzébio aos 34 minutos do segundo tempo

BOTAFOGO: Jéfferson, Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos(Caio), Renato, Elkeson(Lucas Zen) e Andrezinho; Herrera e Loco Abreu 
Técnico: Oswaldo de Oliveira

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno(Rafael Moura), Leandro Euzébio, Anderson e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Deco(jean), Thiago Neves e Wellington Nem(Araújo); Fred 
Técnico: Abel Braga

É hora de decolar! Fluminense!

Empolgante vitoria mesmo que nos pênaltis, boa atuação do time todo, muita garra, luta, determinação do time inteiro, é assim que queremos ver o nosso Fluminense, pela primeira vez no ano vi os jogadores jogando com raça, sem essa de bola perdida, é assim que todos queremos ver o Fluminense, peleado até o final, e esmagando o adversário dentro de seu campo, sabemos que o time tem qualidade, mas faltava a pegada….espero que contra o Vasco este espírito seja mantido, e no resto da temporada também porque dai ninguém segura esse time.

O jogo não foi importante apenas pelo resultado, mas também pela postura dos jogadores, se doando e ajudando uns aos outros em campo. É isso que queremos. MESMO QUE TIVESSE PERDIDO O JOGO, HOJE COMENTARIA COM O MESMO ENTUSIASMO. ESSE ANO NÃO VI ESSE TIME TIRANDO SANGUE DA BOLA COMO NESSE JOGO!

O tempo normal foi equilibrado, no primeiro tempo os dois times bem posicionados defensivamente, o jogo começou muito movimentado com ambas as equipes visando o gol. Normalmente quando a marcação está um pouco mais apertada nosso time sente muita dificuldade em armar jogadas de ataque devido a falta de entrosamento, mas fomos superiores ao Botafogo. No segundo tempo o clima esquentou quando o Elkeson abriu o placar, o tricolor não teve outra alternativa se não ir pra cima, o empate veio logo com o Leandro Euzébio livre pra fazer o gol, não entendi a linha de impedimento que a zaga do Botafogo tentou fazer, simplesmente dando espaço pro zagueiro empatar a partida e ir a loucura! Fim do jogo se aproximando coração acelerado PÊNALTIS, aguenta coração! É sorte? É claro que não é só sorte! É preciso ter bons cobradores! Fred inicia as cobranças e converte, o segundo Jean bateu fraco e foi defendido por Jefferson. Mas o Botafogo perdeu duas cobranças com Lucas e Loco Abreu, os tricolores tiveram as cobranças de Thiago Neves, Rafael Moura e Anderson convertidas! Fluzão na final !

O ataque não me preocupa, o Abelão é maluco mas os times dele costumam ser ofensivos mesmo. Mesmo o Wagner acho que tem chance de fazer alguma coisa que preste, saber jogar ele sabe, e Thiago Neves vai desencantar. Vamos torcer para que esse seja um dos anos de sorte do Abel Braga (e nosso).

Vi sim o verdadeiro Fluminense, que sufoca o adversário, que deixa até o capitão deles nervoso. Um time avassalador, melhor no jogo todo, jogamos melhor do que o Botafogo, seria injusto não nos classificarmos. Só o fato do time entrar em campo “com sangue nos olhos e faca nos dentes” já é suficiente para nos devolver ao caminho das vitórias. É isso que queremos dos nossos jogadores. Que eles tenham atitude de soldados em batalha, sempre, até em treino. É claro que todas as posições são muito importantes em um time de futebol. E qualquer peça fraca em qualquer posição, pode comprometer a equipe inteira.

Não há motivo para acomodação agora. Foi só um jogo, temos o Vasco pela frente, que tem um bom time, Abel terá muito trabalho pela frente ainda. Nos deu um alento, uma esperança, mas estamos ainda MUITO LONGE de ter um time montado e pronto.

Dinheiro e fama desaparecem tão rapidamente quanto surgem. Mas ter o nome gravado na história de um clube é algo perene, que diferencia um jogador qualquer de um grande atleta.

Que venham o próximo adversário. Que o Fluminense o respeite, mas que nunca perca a motivação para vencer e volte à trajetória de vitórias e títulos, que é o nosso verdadeiro lugar! ST







Para a tristeza toda torcida alvinegra o Botafogo não vai disputar a final da taça Guanabara, com o empate no tempo normal pelo placar de 1X1 num jogo muito equilibrado o Botafogo perde pro Fluminense nos pênaltis.
O equilíbrio foi a marca do jogo com bons lances que até poderiam ter definido o jogo, desfalcado do Maicosuel e com o Loco e Andrezinho voltando de contusão o Fogão entrou com Herrera no lugar do Mago que jogou com a raça de sempre. Mas coube ao Elkeson abrir o placar aos 29 minutos do segundo tempo e Leandro Euzébio consegue empatar aos 34minutos, demonstrando que não sairia um vencedor tão fácil assim. O Fluminense teve até uma pequena superioridade devido aos buracos que o Fogão tinha entre seu meio campo e a defesa deixando espaço pra o Flu trabalhar, mas que após a parada técnica ainda no primeiro tempo, o Oswaldo Oliveira conversou com seus comandados e conseguiu consertar, mas foi um bom jogo, aberto e com grandes chances pros dois lados que poderiam ter decidido a partida sem a necessidade dos terríveis pênaltis que transformam heróis em vilões como aconteceu com nosso querido Loco Abreu. Quase uma semana sem treinar e no sacrifício, o Loco foi pro jogo e quase não tocou na bola mas ainda assim teve chance de definir mas não conseguiu, escalado pra bater o ultimo pênalti foi pra bola e com um misto de cansaço e displicência e desperdiçou batendo mau e dando a chance de Cavalieri ser o herói da noite.
Mas agora nos resta esperar o começo da Taça Rio, recuperar os jogadores machucados e manter o bom trabalho que vem sendo feito pela comissão técnica.
BOLA PRA FRENTE FOGÃO!!!


VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Sétima rodada da Taça Guanabara 1º turno do Campeonato Estadual

E terminou a fase classificatória da Taça Guanabara. E os quatro grandes times do Rio confirmaram a classificação, com dois grandes clássicos para decidir quem faz a final no próximo domingo: Vasco X Flamengo, na quarta-feira, 22 horas, e Botafogo X Fluminense, quinta-feira, 21 horas, ambas partidas no Engenhão.





Local: Estádio da Cidadania, Volta Redonda (RJ)
Data: 18 de fevereiro de 2011

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Eduardo de Souza Couto (RJ) e Luiz Antônio de Oliveira (RJ)
Cartões amarelos: Marcel, Filipe Machado (Resende); Aírton, David Braz, Vágner Love (Flamengo)

Gols: RESENDE: Marcelo Regis, aos 2min do 2º tempo
FLAMENGO: Ronaldinho, aos 13, Vágner Love, aos 17, e Negueba, aos 38min do 2º tempo
Público: 8.609 pagantes  Renda: R$ 168.765,00

RESENDE: Mauro, Wellington, Facundo Gomez, Filipe Machado e Kim (Emerson); Léo Silva, Iuri, Marcel (Hiroshi) e Valdeir (Léo); Elias e Marcelo Regis
Técnico: Paulo Campos

FLAMENGO: Felipe, Leonardo Moura, Welinton, David Braz e Junior Cesar; Aírton, Willians, Luiz Antônio (Bottinelli) e Ronaldinho Gaúcho; Vagner Love (Maldonado) e Deivid (Negueba).
Técnico: Joel Santana

Só no tranco

Todo treinador experiente se guia nos times que mais se adaptaram ao seu comando. No caso dos técnicos que passaram pelo Flamengo esse ano: Luxemburgo e Joel Santana. O primeiro nem tentou reproduzir os campões brasileiros a saber: Palmeiras (93/94) e Cruzeiro (2003). Já o segundo tenta esboçar o time da arrancada no brasileiro de 2007. É claro que se Vanderlei conseguisse chegar perto do que ele conseguiu com esses timaços ele seria o atual treinador e cada centavo de seu alto salário valeria a pena. Já Joel tem sonhos mais modestos e a chance de conseguir até superar seu trabalho anterior à frente do rubro negro.
Mas precisa fazer, urgentemente, que o time tenha atenção durante o jogo. Por exemplo diante do Resende nos primeiros minutos de jogo cruzamento os zagueiros ficam hipnotizados olhando a bola, o atacante Marcel cabeceia sem ser incomodado e bola no travessão. Depois do susto, mesmo sem jogar bem, a posse de bola sem a objetividade necessária e o adversário querendo um contra-ataque. Ao final do primeiro tempo quando Léo Moura, sempre a melhor saída, procurou mais o ataque saíram as melhores jogadas. Ainda assim era muito pouco para quem buscava uma classificação.
Começa o segundo tempo e Luiz Antônio fica no vestiário para a entrada de Bottinelli. Nem deu tempo para tocar na bola e o Resende abria o placar através de bola parada e uma falha clamorosa de marcação na área principalmente de Willians. Aliás, antes disso Yuri cabeceou também livre de marcação para boa defesa de Felipe. Além disso, Willians, David Braz e Renato Abreu estão em péssima fase. Isso aos 2 minutos combinado com o poder de reação até então não visto parecia que o Campeonato Carioca não iria começar para o Flamengo. Não fiquei maluco, só penso que esse campeonato com inchaço de times ruins começa apenas nas semi-finais de turno. 
E eis que a mística da camisa rubro negra aparece e enfim põe os preguiçosos para correr. Ronaldinho, o mais caro e badalado deles, acordou para o jogo. Finalizou para uma defesa tranquila de Mauro, muito seguro no jogo, já na segunda chance... 
Uma raridade! Após cobrança de escanteio, R10 sobe e de cabeça com estilo de centroavante deixa tudo igual. O gol abateu de forma estranha o time sul fluminense que não conseguia sair de seu campo de defesa. Assim foi castigado novamente depois de boa jogada de Léo Moura que Vagner Love desviou virando o placar a favor do Mengão.
Sem a pressão nos ombros e sendo competente ao impor seu ritmo o Flamengo só levou susto em jogada de Elias que deu uma caneta em David Braz e Marcelo Régis chegou atrasado. Com mais espaço já que o Resende tinha que atacar Léo Moura acertou passe para Negueba, que entrara no lugar de um discreto Deivid, definir.
Com isso mais um jogo que era para ser tranquilo virou uma "épica" classificação. E um Flamengo X Vasco na abertura do Carioca 2012. Nada melhor para o quinto jogo valendo da temporada.





Local: Estádio Cláudio Moacyr, em Macaé (RJ) 
Data: 18 de fevereiro de 2011 (Sábado) 
Público: 2.725 pagantes  Renda: R$ 62.595,00
Árbitro: Péricles Bassols Cortez 
Assistentes: Rodrigo Joia e Rodrigo Correa 
Cartões amarelos: Pipico (Macaé); Elkeson e Maicosuel (Botafogo)

Gols: BOTAFOGO - Herrera, aos 27 e Felipe Menezes, aos 36 minutos do primeiro tempo e Elkeson, aos 42 minutos do segundo tempo.

MACAÉ: Luiz Henrique, Valdir, Ramon, Douglas Assis e Gérson; Gedeil (Bruno Barra), Wagner, Wallacer e Norton (Thiago Santos); Pipico e Alexsandro (Josiel) 
Técnico: Toninho Andrade

BOTAFOGO: Jéfferson, Lucas, Antônio Carlos (Brinner), Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Renato, Felipe Menezes (Lucas Zen), Elkeson e Maicosuel (Cidinho); Herrera 
Técnico: Oswaldo de Oliveira


Em tarde muito feliz o Botafogo garante sua vaga em primeiro lugar no grupo A da Taça Guanabara ao derrotar o Macaé em sua cidade pelo placar de 3X0. O Botafogo precisava de apenas um empate mas foi logo mostrando a que veio. Com os desfalques de Andrezinho e Loco Abreu as chances foram dadas a Felipe Menezes e ao Herrera, este que já vinha merecendo a um bom tempo e não desperdiçou sua chance depois de várias tentativas ele conseguiu seu gol com uma linda jogada após a bola lancada do meio campo ele encobriu o goleiro do Macaé que estava muito adiantado fazendo um lindo gol, e não descansando o Maicossuel entrando pela esquerda deu bom passe pra um bonito gol de Felipe Menezes de calcanhar marcando o segundo do Fogão. E então o time com o controle da partida deu uma esfriada e até sofreu uma pequena pressão do Macaé, mas nada que tirasse a tranquilidade de seu técnico e de nossa torcida e no final ainda teve o gol do Elkeson que premiado por mais uma boa partida faz o seu e sela de vez a participação do Fogão nas semi-finais da Guanabara que sera contra o Fluminense na próxima quinta feira. Torço pro mais uma boa apresentação do Glorioso e vamos rumo a final venha quem vier!!!
Vamos lá Fogão!!!





Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 18 de fevereiro de 2011
Público: 1.419 pagantes  Renda: R$ 39.280,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ) 
Assistentes: Wagner Santos e Jackson do Santos (ambos de RJ) 
Cartões amarelos: Thiago Neves (Fluminense) e Mayaro (Bangu)
Gols: 
FLUMINENSE: Fred, aos 30, e Araújo, aos 36 minutos do primeiro tempo; Wellington Nem, aos 20 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno, Digão, Anderson e Carlinhos; Edinho, Diguinho e Thiago Neves (Lanzini); Araújo (Wagner), Fred e Wellington Nem (Jean) 
Técnico: Abel Braga

BANGU: Willian Alves; Tiago Lopes, Raphael, Vinícius Leandro e Ângelo (Gedeílson); Sidney, Oliveira, Mayaro e China; Renan Oliveira (Gabriel Galhardo) e Marcelo Fernandes
Técnico: Carlos César


O primeiro jogo decisivo de 2012, contra o lanterna do nosso grupo na Taça GB, era o jogo que tinhamos obrigação de vencer, e sim vencemos, é claro que antes de iniciar o jogo com a escalação covarde do Abel, eu duvidei, fico imaginando como será a Libertadores, mais como somos guerreiros e como no Flu se não for sofrido não tem graça, só me resta xingar e apoiar o Abelão né. Voltando ao jogo foi até facil, o Bangu não fez um ponto nesse campeonato, logo no inicio do 1° tempo pênalti feito em Wellington Nem e convertido pelo capitão Fred, logo depois Araujo fez o segundo, mais ainda dependiamos do Vasco, estavamos ligados no Placar do Engenhão, fomos para o intervalo na expectativa, o placar do Engenhão não saia do zero. O segundo tempo foi tranquilo, gol do Wellington Nem e só esperar para comemorar, e sim comemoramos quando o placar do estádio anunciou o gol do Vasco, nesse momento começou o nosso carnaval, quando o juiz apitou o final do jogo fomos cair no samba, curtir o desfile da linda Viradouro que falou de Nelson Rodrigues e da grandeza do Fluminense como poucos, desfile maravilhoso, digno de campeã. Agora é ganhar o primeiro clássico do ano, e sair desta porcaria de jejum.. E vamos ganhar... E vamos levantar essa taça. EU ACREDITO....





Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 18 de fevereiro de 2011
Público: 1.743 pagantes Renda: R$ 30.020,00
Árbitro: Luis Antônio Silva dos Santos
Assistentes: Dibert Pedrosa e Luiz Regazone 
Cartões amarelos: Paulo Rodrigues, Bruno Costa e Helton (Boavista)

Gol: VASCO - Kim, aos 34 minutos do 2º Tempo

BOAVISTA: Thiago, Sheslon, Bruno Costa, Luiz Alberto (Helton) e Paulo Rodrigues; Júlio César, Leandro Teixeira, Fabrício e Fabiano Gadelha (Marlon); André Luís e Somália (Bruno Veiga) 
Técnico: Alfredo Sampaio

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Renato Silva, Douglas e Max; Nilton, Eduardo Costa, Diego Rosa e Diego Souza (Jonathan); Willian Barbio (Jhon Cley) e Alecsandro (Kim) 
Técnico: Cristóvão Borges

Bom amigos leitores desse blog, vascaínos ou não, o Gigante da Colina chegou aos 100% de aproveitamento nessa edição da Taça Guanabara. Com a vitória de 1x0 sobre o Boavista, o Vasco acabou ajudando o Flu a se classificar e agora o campeonato ficou mais atrativo, com os quatro grandes nas semifinais, com o Clássico dos Milhões na quarta-feira e o Clássico Vovô na quinta e os vencedores se enfrentam na grande final de domingo, quando eu espero que o Trem Bala esteja lá para conquistar nosso primeiro título do ano.
Na partida de sábado, o treinador Cristóvão nem quis saber de ser politicamente correto e botou mesmo em campo um time misto, poupando seus principais jogadores, nem se preocupar com possíveis reclamações que pudessem vir lá das bandas de Laranjeiras. O Boavista, que precisava do resultado para garantir a sua vaga nas semifinais, ficou lá, tentando rondar a área vascaína, mas foi o Vasco que assustou com Diego Souza batendo falta e com o zagueiro Douglas cabeceando para boa defesa do goleiro Tiago. o Boavista tentou arriscar de fora da área, mas Fernando Prass estava ligado. E o panorama foi esse na segunda etapa também. Jogo morno, o Boavista arriscando de fora da área, sem perigo e o Vasco tentando manter o jogo sobre controle. Willian Barbio teve uma boa chance, mas mandou rente a trave. E o Boavista devolveu com uma cabeçada do Marlon, que Prass defendeu bem. Quando tudo parecia que ia ficar no 0x0, os atacantes Jonathan e Kim decidiram o jogo. O primeiro vou driblando todo mundo, recebeu um tranco e a bola sobrou para o segundo, que bateu bonito na bola e mandou pra rede, um golaço, aos 33 minutos. Depois, o jogo praticamente acabou e foi só esperar o apito final do árbitro e comemorar, afinal não é sempre que se ganha sete partidas seguidas no início de temporada. Agora, é só esperar quarta-feira para o vamos ver com o maior rival.
Saudações vascaínas!


Conversa de esquina:


- Willian Barbio vem mostrando um bom futebol nesse início de temporada, já merece ser titular, lembra o Éder Luiz na temporada passada, pelo menos na velocidade pelas pontas. Mas se ficar na reserva, pode ser uma grande arma para o segundo tempo, quando os times estão cansados...
- E o Bernardo hein? Ele merece lutar pelos seus direitos, mas não era hora... Pelo FGTS você pode brigar quando chegar no final do contrato. Não era o momento para isso, a não ser que já tenha um novo clube para ir... Se for este pensamento, não tem mais espaço para ele no clube. Boa sorte, bem longe de São Januário!


VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!!!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Libertadores da América - Lanus 1x1 Flamengo

LANUS 1X1 FLAMENGO
Local: Estádio Ciudad de Lanús, em Buenos Aires (Argentina) 
Data: 15 de fevereiro de 2012
Árbitro: Roberto Silvera (Uruguai) 
Assistentes: Mauricio Espinosa (Uruguai) e Nicolás Taran (Uruguai) 
Cartões amarelos: Fritzler (Lanús); Renato Abreu, Bottinelli e Wellinton (Flamengo) 
GOLS: LANÚS: Carranza, aos 29min do segundo tempo 
FLAMENGO: Léo Moura, aos 45min do primeiro tempo

LANÚS: Agustín Marchesín; Carlos Araújo, Paolo Goltz, Diego Braghieri (Izquierdoz) e Luciano Balbi; Mauricio Pereyra (Carranza), Matías Fritzler, Eduardo Ledesma, Diego Valeri e Juan Neira (Romero); Mariano Pavone 
Técnico: Gabriel Schurrer

FLAMENGO: Felipe; Leonardo Moura, Welinton, David Braz e Junior Cesar; Willians, Maldonado, Airton (Bottinelli) e Renato Abreu (Luiz Antônio); Ronaldinho Gaúcho e Deivid (Negueba) 
Técnico: Joel Santana


Na estréia da fase de grupos da Libertadores, uma partida lastimável por parte do fraco time do Flamengo. Mais uma vez, o meio de campo foi composto por jogadores medíocres, além dos defensores (Wellington e David) muito fracos. Joel, claramente, armou o time para jogar retrancado, esperando pelos contra-ataques. Porém, para você armar contra-ataques eficientes, todos os sistemas precisam estar interligados e bem treinados; não é o caso, mas o acaso que fez com que o Flamengo achasse um gol, através do Léo Moura. O Lanús foi melhor o tempo todo e mereceu empatar em mais uma falha dos nocivos zagueiros rubro-negros. Diante de todo o caos, dois se salvaram: Leonardo Moura e o goleiro Felipe. O resto, isso mesmo, o resto; nota de 0 à 3.
A única notícia ruim para o jogador (desejo pronta recuperação), mas ótima tanto para o time quanto para torcida é a contusão do limitado Renato Abreu.
Enfim, Joel precisa, urgentemente, mesclar com os talentos vindos da base que já provaram que podem jogar como titulares ou como opções para o decorrer das partidas.


Lanus 1 x 1 Flamengo.

Sexta rodada da Taça Guanabara 1º turno do Campeonato Estadual

Só falta uma rodada para acabar a Taça Guanabara e só o Vasco tá garantido nas semifinais. Fla e Bota tem a companhia indigesta do Resende e o Flu briga contra Boavista, Friburguense e Volta Redonda.


BOTAFOGO 4X1 BONSUCESSO
Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 11 de fevereiro de 2012
Público: 3.704 pagantes Renda: R$ 68.065,00
Árbitro: Maurício Coelho Júnior (RJ) 
Assistentes: Wagner Santos (RJ) e Jackson Lourenço dos Santos (RJ) 
Cartões amarelos: Maicosuel (Botafogo); Gomes, Diego e Alex (Bonsucesso) 
GOLS: BOTAFOGO: Maicosuel, aos 42min do primeiro tempo; Loco Abreu, aos 2min do segundo tempo; Herrera, aos 27 e 45min do segundo tempo 
BONSUCESSO: Adriano Magrão, aos 12min do segundo tempo

BOTAFOGO: Jéfferson; Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos, Renato, Felipe Menezes (Herrera), Elkeson (Lucas Zen) e Maicosuel (Cidinho); Loco Abreu 
Técnico: Oswaldo de Oliveira

BONSUCESSO: Saulo; Ranieri (Drauzio), Admilton, Gomes e Diego; Bóvio, Márcio Guerreiro, Marco Goiano e Alex (Juninho); Adriano Magrão (Jefferson) e Diogo 
Técnico: Wilson Gottardo


Em mais uma grande partida o Botafogo sai com uma goleada pra cima do Bonsucesso pelo pracar de 4X1,com gols do Mago Maicossuel, do Loco Abreu e dois do Herrera que vem se destacando cada dias mais em busca de ser titular novamente no time alvinegro. Com a notícia que dava conta de que Andrezinho não iria jogar o natural era pensar que o Herreira entrasse como titular no jogo mas o técnico Oswaldo de Oliveira optou por escalar o Felipe Menezes com a 10 do Glorioso. O que no início do jogo parecia um erro com o jogador um pouco nervoso e errando passes, mas com o primeiro gol marcado pelo Mago as coisas começaram a melhorar e o time se soltar mais. Com isso, o lateral Márcio Azevedo sofre um pênalti cobrado pro Loco Abreu com a categoria de sempre marcando o segundo do Fogão, mas o time do subúrbio carioca diminui com Adriano Magrão aos 11 do segundo tempo. Mas aos 25 do segundo tempo o técnico tirou o meia Felipe Menezes que tinha até melhorado depois da bobeira que deu origem ao gol do Bonsucesso e colocou Herrera no jogo, o argentino simplesmente acabou com o jogo, fazendo seu primeiro gol no jogo aproveitando da cabeçada do Loco na trave e chutando no gol, e marcando o segundo com uma linda finta no zagueiro e chutando com categoria, dando números finais a partida e colocando uma interrogação na cabeça do Oswaldo para o proximo jogo caso Andrezinho não possa jogar.
O próximo compromisso do Fogão é contra o Macaé sábado no Moacirzão e um empate basta pro Fogão.
Vamos lá Fogão!!!!


FLAMENGO 2X0 NOVA IGUAÇU


Local: Estádio Claudio Moacyr, em Macaé (RJ) 
Data: 12 de fevereiro de 2012
Público: 9.269 pagantes Renda: R$160.335,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães 
Assistentes: Silbert Faria Sisquim e Wendel de Paiva Gouveia 
Cartões amarelos: Willians (Flamengo); Filipe Alves, Vagner Eugenio, Amaral (Nova Iguaçu) 
Gols: FLAMENGO: Deivid, aos 13min do 1o tempo; Renato, aos 14min do 2o tempo
FLAMENGO: Felipe, Léo Moura, Wellinton, David Bráz e Júnior César; Willians, Luiz Antônio (Maldonado), Renato Abreu e Ronaldinho Gaúcho; Vágner Love (Negueba) e Deivid (Bottinelli) 
Técnico: Joel Santana
NOVA IGUAÇU: Jefferson, Marcelinho, Naylhor, Vagner Eugenio e Chiquinho (Uallace); Filipe Alves, Amaral, Mossoró (Otávio) e Dieguinho; Zambi e Leandrão (Jones) 
Técnico: Leonardo Condé
Love 2: o retorno 

A estréia mais aguardada do ano estava com sangue nos olhos, depois da complicada negociação que o tirou do frio de Moscou chegou, enfim, a hora de mostrar serviço. Vagner Love em campo no começo do trabalho de Joel Santana no clube. O adversário, que o destino escolheu assim como Ronaldinho Gaúcho no ano passado, era o Nova Iguaçu.
Toda a atmosfera criada fez bem ao Flamengo que não tardou a dominar o jogo graças a (pasmem) movimentação ofensiva do trio de ataque. Com os passes precisos de R10 e a entrega de Love os espaços apareciam e Deivid complementava bem mostrando inteligência e oportunismo na primeira tabela entre os dois astros da companhia. No chute de Love defendido por Jefferson parcialmente e rebote aproveitado por Deivid. Na sequência quase David Braz ampliou. A Laranja da Baixada, atônita, não conseguia fazer com que seus atacantes sequer encostassem na bola, talvez à espera de um contra-ataque fortuito que não ocorreu.
O ritmo veloz foi ficando mais cadenciado, é claro, fisicamente seria quase impossível manter o pique durante os 90 minutos. Pois ficou nítido que o ambiente é outro e os jogadores queriam deixar isso bem claro. Além disso, o estreante do dia não só é raçudo como sabe jogar, promoveu uma mudança tática no time deixando com que Ronaldinho armasse mais o jogo e cativou a torcida que pisou na bola ao vaiar Luis Antonio.
Antes ainda Renato Abreu ampliou ao seu estilo pancada em cobrança de falta. Houve tempo para os gringos Bottinelli e Maldonado jogarem. Perguntar se Aírton é carta fora do baralho. E ver a torcida aplaudir o time, dessa vez de forma merecida.


VASCO 2X1 FLUMINENSE
Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 12 de fevereiro de 2012
Público: 7.622 pagantes Renda: R$ 250.815,00 
Árbitro: Antônio Schneider (RJ) 
Assistentes: Rodrigo Jóia (RJ) e Rodrigo Correa (RJ) 
Cartões amarelos: Dedé, Nílton e Felipe (Vasco); Diguinho, Leandro Euzébio, Carlinhos, Rafael Moura, Fred, Wellington Nem e Bruno (Fluminense) 
Cartões vermelhos: Edinho e Fred (Fluminense) 
GOLS: VASCO: Alecsandro, aos 14 e 32min do segundo tempo 
FLUMINENSE: Thiago Neves, aos 6min do primeiro tempo


VASCO: Fernando Prass, Fágner, Dedé, Rodolfo e Thiago Feltri; Nilton, Chaparro (Willian Barbio), Bernardo (Fellipe Bastos) e Felipe; Diego Souza (Eduardo Costa) e Alecsandro 
Técnico: Cristóvão Borges

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Leandro Euzébio, Anderson e Carlinhos; Edinho, Diguinho (Rafael Moura), Deco (Wagner) e Thiago Neves; Rafael Sóbis (Wellington Nem) e Fred 
Técnico: Abel Braga

Estou feliz e infeliz ao mesmo tempo.
Não que eu seja bipolar ou faça parte de um romance russo. Não, não.
O problema, o grande problema, é que eu gosto de futebol, amo esse jogo, vejo não só jogos do meu time como qualquer outro jogo que aparente ser um bom espetáculo.
E isso é que me deixa feliz. 
Nessa rodada, por exemplo, vi um bom jogo entre meu amado time, Vasco da Gama, e o tricolor Fluminense, dois grandes times do Rio de Janeiro. Foi um bom jogo. O time de Laranjeiras dominou o primeiro tempo, jogou muito bem, isso foi demonstrado desde do começo com um gol de Thiago Neves, depois de uma bela jogada de tabela. O Gigante da Colina, como sempre bagunçado, até que teve um bom desempenho, só não se achou em campo. Mesmo com Bernardo e Chaparro iniciando o jogo, dando a impressão para nós torcedores, que traria para o Vasco uma maior movimentação, o Trem Bala não conseguiu achar soluções contra o time do Pó-de-Arroz.
Foi apenas no segundo tempo, com uma mudança tática feita com substituições (a única vez, para mim, que Cristóvão mexeu bem nesse campeonato) que forneceu uma maior marcação no meio campo, que o Vasco reagiu. Com jogadas de rapidez pelas laterais e uma maior posse de bola, o Vasco virou o jogo, com dois gols de Alecsandro, o cone artilheiro.
O Bacalhau dominou o segundo tempo, sem sombra de dúvida, e terminou a rodada classificado para as semi-finais, com uma vitória em cima de um Fluminense irritado, e com razão.
E isso é que me deixa infeliz.
O time de Fred e cia. foi prejudicado por uma arbitragem ridícula. Que além de não marcar pênaltis, que foram claramente a favor dos tricolores, ainda teve uma distribuição de cartões com critérios diferentes. O Fred, por exemplo, tomou um cartão por reclamar de um escanteio a favor do Fluminense, que incrivelmente não foi visto pelo árbitro. Foi lamentável a atuação da arbitragem ontem, o jogo seria bem melhor sem essas lambanças.
O Vasco poderia ter perdido? Talvez. Mas com certeza o futebol teria ganhando e muito.
Saudações Vascaínas


Conversa de Esquina:
- Eu e meus amigos do bar do Mourinho, não queríamos acreditar no que estávamos vendo, o zagueiro Dedé, esqueceu sua classe e deu um pisão no Fred, dentro da área do Vasco, no lance do primeiro pênalti não apitado. Depois, num lance no qual ele deveria ter sido expulso, ele, novamente no Fred, entrou para quebrar o atacante tricolor no meio.
Espero que ele reflita bem sobre isso essa semana, pois para quem é chamado de mito, isso é algo inaceitável.


-Não é de hoje que as arbitragens do futebol brasileiro são desastrosas. Todos os anos, em qualquer campeonato estadual e no brasileiro em si, temos vistos atuações horrorosas, tendenciosas e, às vezes, suspeitas de árbitros em nossos campos. Porém, por mais que a mídia, os times e os torcedores reclamem, nos parece que nenhuma instituição ligada a arbitragem (exemplo: a ANAF - Associação Nacional dos Árbitros de Futebol) ou aos próprios times (exemplo a FFERJ - Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) faz algo de contundente para mudar esse quadro geral. Aqui fica meu pedido e, estou certo disso, de todos que amam futebol nesse país: se vocês, instituições ligadas ao futebol, estão fazendo algo contra essas barbaridades feitas com o apito, por favor, intensifiquem as medidas tomadas, pois nós, torcedores, não estamos vendo resultados. Aliás, os únicos resultados que vemos, é aqueles que uma má arbitragem influencia.


O que poderia ser o fim de um jejum acabou num jogo desastroso.
Vasco 2 x 1 Fluminense


Há muito tempo não via o Fluminense entrar em campo como entrou hoje. O Flu entrou em campo com vontade, errando pouco, fazendo seu papel como há muito tempo o torcedor não via, contra-ataques rápidos e eficientes tanto que logo aos 6 minutos do primeiro tempo Thiago Neves marcou seu primeiro gol com o manto tricolor depois da sua reestreia. A zaga até parecia bem. Marcou bem, marcou em cima e conseguiu fazer o que há muito tempo não conseguiam fazer , MARCAR. MAS, ISSO FOI SÓ NO PRIMEIRO TEMPO.


Daí eu me pergunto o que será que aconteceu com o time? Voltou completamente apagado! Euzébio e Anderson? Definitivamente pra mim essa zaga é uma peneira. Edinho? Até que tava bem de terceiro zagueiro, mas, no segundo tempo deixava todo mundo passar fácil. DECO? Morto. Fred e Thiago Neves? Cansados, acho que deram tudo de si no primeiro tempo e esqueceram que ainda tinham mais 45 minutos por vir. Os laterais Carlinhos e Bruno? MEU DEUS! Deu ao Vasco a oportunidade de descobrir a mina de ouro e foi pelas laterais que o Vasco conseguiu chegar junto e crescer dentro de campo marcando seu primeiro gol com Alecsandro e consecutivamente o segundo que deu a vitória ao time vascaíno.


E como se não bastasse o Sr. Antonio Schneider (juiz da partida) resolveu atrapalhar ainda mais a vida do Fluminense. Tivemos um pênalti claríssimo do Fagner em cima do Carlinhos e não foi dado. Tomamos cartões desnecessários e expulsões que certamente poderiam não ter acontecido caso o Juiz não irritasse tanto os jogadores do Flu (não dando razão aos expulsos, claro)


E quem culpar hoje? O juiz? Sim foi um dos culpados. Mas, pra mim o principal continua sendo o Sr. Abel Braga que não sabe como armar seu time nem manter seus jogadores entrosados. Ele não consegue resolver e nem enxergar o obvio. E pra mim um treinador desse não é treinador pra nosso tricolor. Que me perdoem os que gostam dele. Pra mim o Flu tem elenco de ouro. Mas, se continuar com Abel definitivamente não vamos pra lugar ALGUM.


No primeiro tempo Fluminense bloqueou bem os laterais do Vasco e no segundo tempo simplesmente deixaram a situação se inverter. Sabe por quê? Porque o Vasco tem um treinador inteligente e que certamente enxergou as falhas do seu time no primeiro tempo e voltou no segundo pra vencer. O treinador tem que ter a cara do time e o Sr. Abel Braga não tem a cara do Flu.


E assim continuamos nesse jejum que teima em persistir...


Saudações tricolores.


É ISSO AÍ, GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Quinta rodada da Taça Guanabara 1º turno do Campeonato Estadual

Segue o campeonato carioca e o Vasco continua embalado. Mas o Botafogo foi o grande destaque, com uma sonora goleada sobre o fraquíssimo time do Olaria. E o Papai Joel estreou no Fla. Foi difícil, mas valeu pelos três pontos. Já o Flu



FLAMENGO 1X0 MADUREIRA
Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 9 de fevereiro de 2011

Público: 2.814 pagantes Renda: R$ 57.075,00
Árbitro: Lenilton Gomes Junior (RJ) 

Assistentes: Alexandre Eller (RJ) e Flávio Manoel da Silva (RJ) 
Cartão Amarelo: Welington, David Braz, Diego Maurício e Felipe(Fla); Dinei, Caio Cézar e Leandro Cruz(Madu) 
Gols: FLAMENGO: Thiago Medeiros, contra, aos sete minutos do segundo tempo

FLAMENGO: Felipe; Leonardo Moura, Welinton, David Braz e Junior Cesar; Maldonado, Luiz Antônio, Renato Abreu(Camacho) e Bottinelli(Negueba); Ronaldinho Gaúcho e Deivid(Diego Maurício) 
Técnico: Joel Santana

MADUREIRA: Márcio; Wellington Júnior (Caio Cézar), Thiago Medeiros, Zé Carlos e Bill; Gilson, Michel Santos, Rodrigo(Leandro Cruz) e Alex; Dinei(Fernando Camargo) e Maciel 
Técnico: Luiz Claudio


Só o resultado e a nova camisa compensaram


Estréia de Papai Joel, não que seja fã do seu trabalho, mas, inegavelmente, um dos méritos do treinador é dar suporte ao setor defensivo. Com apenas dois dias de trabalho em sua quinta passagem pelo clube sua maior qualidade seria posta a prova contra o tricolor suburbano. Bom, e assim começamos o jogo. Com uma camisa que lembra a usada no ano mágico da história do clube. O futebol passou a anos-luz de distância...
Primeiro tempo e o Madureira equilibrava as ações e em alguns momentos envolvia o Flamengo. Os problemas de sempre: falta de criatividade e objetividade. Logo, quem dormiu vendo o jogo não perdeu nada de interessante pois parecia um joguinho de casados e solteiros depois de um churrasco regado a cerveja. 
Segundo tempo e Negueba substitui Bottinelli. É claro que o time continuou tendo dificuldades de finalizar as jogadas a impressão geral era: vamos passar a eternidade aqui e o gol não vai sair. Mas não é que ele saiu? Fruto da infelicidade de Tiago Medeiros numa única jogada bem tramada do ataque flamenguista. Bola de pé em pé até o cruzamento de Renato Abreu e o carrinho do zagueiro do Madura.
Emoção? Só quando Léo Moura, mais uma vez destaque do Fla no jogo, foi derrubado na área por Bill. Pênalti que R10 jogou na estratosfera. Nossa! Será que ele sabe que o dinheiro entrou na conta? Joel foi ao desespero talvez porque tenha visto quanto trabalho vai dar organizar a equipe.



BOTAFOGO 5X0 OLARIA

Local: Estádio Olímpico João Havelange, no Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 8 de fevereiro de 2012
Público: 1.738 pagantes  Renda: R$31.100,00
Árbitro: João Batista de Arruda (RJ) 
Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Diogo Carvalho Silva (RJ) 
Cartão Amarelo: Marcelo Mattos(Bota); Moisés(Ola) 
Gols: BOTAFOGO: Loco Abreu aos 12 minutos do primeiro tempo e 19 do segundo, Elkeson aos 23 e 39 minutos do primeiro tempo e Maicosuel aos 43 minutos do segundo tempo.

BOTAFOGO: Jéfferson, Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos(Lucas Zen), Renato, Andrezinho (Felipe Menezes), Elkeson e Maicosuel; Loco Abreu(Herrera) 
Técnico: Oswaldo de Oliveira

OLARIA: Wanderson, Ivan, Thiago, Diego Macedo e Amarildo; David, Siston, Moisés(Muniz) e Pedrinho; Allan(Pará) e Vanilson (Claudir) 
Técnico: Amilton Oliveira

Mais uma vez o Botafogo volta a jogar bem neste campeonato, contra o Flamengo o time criou mas não transformou em gol. Mas agora contra o Olaria a coisa foi bem diferente e com a continuidade da melhora do Mago Maicosuel e do meia Elkeson, o esquema do técnico Oswaldo de Oliveira vai dando o esperado resultado, o time não só goleou como também jogou convincente e ainda se deu ao luxo de perder gols incríveis, facilitado claramente pela fragilidade do time do Olaria,  que até tentou dar um calor no Glorioso mesmo com jogadores experientes como Pedrinho(ex-Vasco) mas com um elenco muito fraquinho não suportou sua própria correria e cansou. Nisso o Alvinegro já estava com dois a zero na conta e só esperou o cansaço bater no time do subúrbio pra decretar a goleada com gols de Loco Abreu (2) Elkeson(2) e do Mago fechando a goleada e dando um ânimo novo pro time já que está de novo na briga pela vaga na semi-final da Taça Guanabara. O próximo jogo é sábado contra o Bonsucesso também no Engenhão e esperamos um boa partida pra garantirmos de vez a vaga do alvinegro.
Vamos lá Fogão!!!!!


AMERICANO 2X3 FLUMINENSE


Local: Estádio Godofredo Cruz, em Campos (RJ)
Data: 15 de fevereiro de 2012
Público: 3.433 pagantes  Renda: R$ 74.070,00
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Assistentes: Ediney Mascarenhas (RJ) e Marco Aurélio Pessanha (RJ)
Cartão Amarelo: Ricardo Braz, Evandro e Adalberto (Americano); Anderson (Fluminense)
Cartão Vermelho: Rafael Moura (Fluminense)

Gols: AMERICANO: Marcos Felipe aos 37 minutos do primeiro tempo e Hugo aos 46 minutos do segundo tempo
FLUMINENSE: Rafael Moura aos 13 minutos do primeiro tempo; Thiago Neves aos quatro minutos e Wellington Nem aos 24 minutos do segundo tempo.

AMERICANO: Erivelton, Alex (Pedro), Adalberto, Ricardo Braz e Marcos Felipe; Rhayne, Caetano, Marconi (Hugo) e Tardelly (Diego); Pachola e Evandro
Técnico: Luís Antônio Zaluar

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Leandro Euzébio, Anderson e Carlinhos; Valencia, Jean e Thiago Neves (Souza); Wellington Nem (Wagner), Rafael Moura e Araújo (Lanzini)
Técnico: Abel Braga
Ainda na briga

O Fluminense venceu o Americano por 3x2, em Campos e continua na briga pela vaga na semifinal da Taça GB. Mas o adversário é muito fraco, não é parâmetro para nada. Aliás, para  duas coisas: primeiro, o nível da arbitragem no Rio é lastimável! Mais um soprador de apito prejudica o Flu, com a inexplicável expulsão do atacante Rafael Moura, que ao proteger a bola, abriu um pouco os braços, o zagueirinho também fez uma drama danado e o sr. Rodrigo Nunes de Sá caiu na dele e deu o vermelho para o camisa 10. A essa altura, o Flu já tinha aberto o placar num pênalti cobrado pelo He-Man, num lance que, se esse juiz também não marcasse seria brincadeira, um puxão acintoso do zagueiro Ricardo Braz no Wellington Nem. Dessa vez o penal foi marcado e o Flu abriu o placar aos 13 minutos. 
Mas a expulsão do Moura levou o time da casa para o ataque e logo o gol de empate saiu. Aí veio a segunda constatação: a defesa do Flu segue dando alegria para os adversário, impressionante com o Abel não sabe armar sistema defensivo. Melhorou um pouco com a entrada do Jean e do Valencia, é verdade. Mas ainda precisa melhorar muito! Tomar dois gols desse time ruim do Americano é demais da conta...
O gol de empate saiu numa bobeada dentro da área, num bate-rebate que achou um alvinegro livre para mandar a bola pra dentro das redes aos 37 minutos, Marcos Felipe: 1x1.
Segundo tempo chegando e o Leandro Euzébio ensaiou uma nova entregada, mas foi o Flu que pulou de novo na frente: Bruno, enfim, acertou um bom cruzamento na cabeça do Thiago Neves e bola na rede: 2x1, aos 4 minutos.
O Flu seguia com um jogador a menos, mas parecia com 15 a mais, tanta era a superioridade técnica do seu time. Wellington Nem, o melhor da partida, seguia infernizando a defesa do Americano com dribles rápidos e logo saiu o gol dele, numa jogada que ele iniciou, passou pro Jean, que limpou, rolou a bola para o Thiago Neves que achou o garoto sozinho na área, aí foi só escorar pro fundo do barbante: 3x1.
Depois disso, foi só tocar a bola e administrar o placar. Com folga? Claro que não, né... O Flu tem Leandro Euzébio! Lembra que eu disse que ele já ensaiara uma bizarrice lá no início do segundo tempo?
Numa bola cruzada dentro da área, ele errou a cabeçada e deixou o atacante Hugo livre para diminuir o placar, aos 46 minutos.
Sorte que não tinha mais tempo para mais trapalhadas da defesa e o Flu voltou a vencer no Estadual depois de três resultados ruins: Flu 3x1.
Tá difícil aturar os árbitros ruins e os defensores péssimos que o Flu tem. Não sei quem vai derrubar o time primeiro...
Saudações tricolores!


VASCO 3X0 VOLTA REDONDA
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 15 de fevereiro de 2012
Público: 1.955 pagantes  Renda: R$ 48.190,00
Árbitro: Marcelo Pacheco (RJ)
Assistentes: Lilian Fernandes Bruno (RJ) e Andréa Marcelino de Sá (RJ) 
Cartão Amarelo: Felipe Bastos e Rodolfo (Vasco); Naldo; João Paulo e Roberto (Volta Redonda)

Gols: VASCO:Alecsandro aos 14 e 38 minutos do primeiro tempo; William Barbio aos 16 minutos do primeiro tempo

VASCO: Fernando Prass; Fagner, Rodolfo, Renato Silva e Thiago Feltri (Max); Eduardo Costa, Felipe Bastos, Juninho Pernambucano e Bernardo (Jonathan); William Barbio (Kim) e Alecsandro
Técnico: Cristóvão Borges

VOLTA REDONDA: Douglas, Marquinhos (Murilo), Róbson, Naldo e Tiago Costa; Rodrigo Thiessen, Juninho (Roberto), Gláuber e João Paulo (Rafael Granja); Jhonnattann e Joabe
Técnico: Ricardo Drubscky


ACORDAR MAIS LÍDER DO QUE NUNCAAAAAAAAAA, VASCO DA GAMA 100 % NO CAMPEONATO!! E é assim e mais aos poucos a torcida vai se orgulhando mais com o seu time. Depois de um jogo belo de ontem em São Januário, 3x0 Vascão.
Classificado para a semifinal da Taça Guanabara o time vai se focando mais e mais. Gols de Alecssandro e Barbio .... Uma vitória fácil.
Com conquistas e mais conquistas,Vasco da Gama vai se focando mais pro campeonato. Uh pula aê deixa o caldeirão ferver!!


Bernardo entrou na justiça para cobrar do clube FGTS atrasados, o que pode te dar os direitos federativos e assim poder sair do Vasco. Era momento para isso?
Mas é...Realmente o Bernardo tinha história pra fazer no Vasco!! Mas vacilou.... 
É.....Bernardo vai pro Fluminense???Eu também não vou falar nada não...
Saudações vascaínas!!!


É ISSO AÍ GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!!!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Libertadores da América 1ª rodada Flu e Vasco em campo

E começou pra valer a Libertadores! Fluminense e Vasco entraram em campo pela primeira vez nessa edição da competição. 

FLUMINENSE 1X0 ARSENAL (ARGENTINA)




Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 7 de fevereiro de 2012
Público: 25.213  pagantes   Renda: R$ 765.415,00
Árbitro: Antônio Arias (Paraguai) 
Assistentes: Nicolás Yegros (Paraguai) e Hugo Martínez (Paraguai) 
Cartão Amarelo: Deco e Fred (Flu); Campestrini e Diego Torres (Arsenal) 
Cartão Vermelho: Wagner e Leandro Euzébio (Flu); Aguirre (Arsenal) 
Gols: FLUMINENSE: Fred, aos dois minutos do primeiro tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Anderson, Leandro Euzébio e Carlinhos; Edinho, Diguinho (Digão), Wagner e Deco (Wellington Nem): Rafael Sóbis (Thiago Neves) e Fred 
Técnico: Abel Braga

ARSENAL: Campestrini; Nervo (Adrian Gonzalez), López, Burdisso e Pérez; Carbonero, Esmerado (Diego Torres), Marcone e Aguirre; Zelaya (Córdoba) e Leguizamon. 
Técnico: Gustavo Alfaro

Quase uma derrota!

Tem coisas no Fluminense que não conseguimos entender, se reclamam tanto assim que o time não está em forma e está sem ritmo, eu sei da solução ideal pra isso….
TREINAMENTO TÁTICO, POSICIONAMENTO isso depende exclusivamente de um bom treinador? Nó temos?

Tinha tudo pra ser um bom jogo, um time que tem  Deco,Wagner,Thiago Neves, Fred, Sóbis e um banco qualificado, tinha tudo pra ter saciado a minha fome de vê um bom Futebol, mas não vi, VI SIM um time perdido em campo, correndo como baratas tontas. O velho problema do Fluminense de 2011: começa o jogo faz um gol daí pra frente é um desastre, o time chega a ser uma piada, um festival de passes errados e chutões em direção ao NADA. Passes, ou melhor, tijoladas nos pés dos atacantes. Aliás, outra coisa que não entendo, O QUE DIABOS O DIGUINHO AINDA FAZ NESSE TIME, o cara simplesmente não apareceu pra jogar em 2012.

É um absurdo um time grande como o Fluminense, ter um buraco, um vão, uma cratera no meio de campo. Diguinho erra muitos passes, no meio só quem jogou foi o Deco, ficou sobrecarregado jogando por dois, o Sóbis (parece jogador de totó, só serve o chute e se não chutar perde a graça) prejudicado com o esquema do Abel tinha que cobrir as subidas daquela lateral o Bruno, que defensivamente é ruim, conclui-se que defesa ruim + meio de campo que não marca o resultado é um meio exposto, que deixa a defesa de calças curtas.

Fora essas questões táticas que ainda estão confusas, algumas deficiências TÉCNICAS também ficaram mais evidenciadas no confronto com uma equipe um “pouco” mais qualificada. Wagner sumiu no jogo, a dupla de volantes mostrou carências defensivas e a zaga foi o ponto mais fraco.

O Fluminense é um time que precisa de um ZAGUEIRO para organizar a defesa, jogadores com gana de ser campeão de alguma coisa e um técnico com vontade de fazer nome, de entrar para o roll dos grandes técnicos, parece até que o Leandro Eusébio e o Anderson foram apresentados no vestiário, para se ter noção de como a nossa zaga é ruim,o Fred (líder) foi nosso melhor zagueiro! Só se contratou meia e atacante! Nossa maior carência, já desde o ano passado é um zagueiraço, estilo patrão da área, que se imponha!

De todos os defeitos e criticas que podem ser feitas e observados tem um que nao da mais, já se esgotou a paciencia: ABEL sei que tem muitos outros erros mas em relação a este não tenho mais paciência. Mas o pior de tudo é ver um técnico perdido e que fala e promete demais pra quem não mostrou nada ou se preferir sequer um esquema ou time titular.
Hoje se me pedissem para definir o Fluminense, não saberia o que dizer, uma defesa insegura, laterais incompetentes, não apoiam, não sabem cruzar e desguardam posição, volantes preguiçosos e marrentos, o futebol não oferece muitas oportunidades durante a partida, portanto efetividade é essencial!
O meu medo é que aconteça que nem o ano passado, onde constatamos diversos defeitos e NADA foi feito pra melhorá – los.
ST!


VASCO 1X2 NACIONAL (URUGUAI)


Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 8 de fevereiro de 2012
Público: 13.920 pagantes    Renda: R$ 705.875,00
Árbitro: José Buitrago (Colômbia)
Assistentes: Humberto Clavijo (Colômbia) e Wilmar Navarro (Colômbia)
Cartões amarelos: Rodolfo, Fellipe Bastos (Vasco); Andrés Scotti, Israel Damonte, Diego Placente, Matías Cabrera (Nacional)
Cartão Vermelho: Renato Silva (Vasco)
Gols: VASCO: Alecssandro, aos 28min do 2o tempo
NACIONAL: Andrés Scotti, aos 29 min do 1o tempo; Vicente Sánchez, a 1min do 2o tempo

VASCO: Fernando Prass, Max (Fellipe Bastos), Dedé, Rodolfo e Thiago Feltri; Nilton, Eduardo Costa, Juninho Pernambucano e Felipe (Carlos Tenório); Diego Souza e Alecsandro
Técnico: Cristóvão Borges

NACIONAL: Leonardo Burián, Christian Núñez, Andrés Scotti (Jadson Viera), Alexis Rolín e Diego Placente; Santiago Romero (Mathías Abero), Matías Cabrera, Israel Damonte e Maximiliano Calzada; Tabaré Viudez e Vicente Sánchez (Recoba)
Técnico: Marcelo Gallardo

Tinha um garoto, quando eu era criança, que era uns dos mais inteligentes da minha turma, tirava boas notas. Não era o nerd da turma, porém sempre estava com seu boletim bem azulzinho no final do ano letivo. Ele tinha apenas um problema: se distraia demais. Não era raro a professora chamar sua atenção por ele estar distraído, e mesmo assim, o colega da cadeira ao lado tinha que dá-lhe, vez ou outra, um cutucão para ele despertar. Era um garoto legal.

O Vasco da Gama, meu querido time, perdeu ontem para o Nacional. Tomou dois gols e fez somente um. Num jogo onde ele foi, do início ao fim, dominado em campo pelo adversário, não em superioridade técnica, mas em posicionamento em campo, toque de bola e catimba.

O Vasco, como eu estou falando desde do brasileiro de 2011, vem jogando bem com o time disperso em campo, ou seja, depende muito das atuações de seus jogadores em jogadas individuas durante as partidas. Ontem tivemos um bom exemplo, Diego Souza jogou como a alguns jogos não vinha jogando, driblando, tocando bola e fazendo lançamentos, já o Reizinho, errou quase tudo que tentou, cobrou mal as faltas que teve oportunidade e também alguns escanteios (teve um que ele praticamente recuou a bola para a zaga do Nacional). O Vasco jogou mal? Posso dizer que não. Com certeza, só deveria ter jogado melhor; deveria e poderia.

Veja bem: O outro time jogou mais, tocou mais bola e finalizou mais, só que, amigos leitores desse blog, se vocês viram o jogo, vão concordar comigo que os dois gols que deram a vitória para eles, os dois, foram falhas da zaga do Gigante da Colina. O primeiro foi um gol contra do Dedé, o jogador do outro time, não alcançaria a bola; o segundo, uma falha absurda do Rodolfo, que saiu com uma bola dominada e a adiantou demais, colocando-a no pé do atacante do Nacional.

O que quero salientar com isso, é que o jogo poderia ter sido empante (ou vitória do Bacalhau) se não fosse as próprias deficiências do time cruz-maltino.

O elenco do Vasco não é uns dos melhores, porém não é ruim.

Quem sabe, igual o meu colega de infância o Vasco tenha precisado de um cutucão para prestar atenção e tirar uma melhor nota?
Todos nós vascaínos esperamos por isso.
Saudações Vascaínas.

CONVERSA DE ESQUINA.

- O Nacional dominou o campo o tempo todo no jogo contra o Vasco; do primeiro minuto ao último. Será que não existe nenhuma estratégia a ser usada pelo time para combater esse tipo de jogo? Realmente só temos uma forma de jogar? Não sabemos mudar nosso posicionamento em campo, ou o nosso toque de bola, para reagir a um esquema de jogo do adversário? Treino é para isso, que eu saiba.

- Cristóvão ganhou o premio de melhor técnico do Brasileiro, nunca o achei tão bom assim. Para mim ele sempre mexeu mal, e quando mexe, demora muito para fazer.

- Gostei da disposição do Tenório, entrou querendo jogo, mas sem ritmo. Quem sabe ele não seria melhor utilizado no estadual?


VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!