quarta-feira, 30 de maio de 2012

Segunda rodada do Campeonato Brasileiro 2012

Mais uma rodada do Brasileirão 2012 e os times cariocas seguem invictos, e com os líderes da tabela, Botafogo e Vasco. Os alvinegros venceram fora de casa e seguem 100%. Já a dupla FlaXFlu empatou em casa, mas seguem bem colocados na competição. Um bom começo do Rio no campeonato.






Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 26 de maio de 2012
Público: 14.238 pagantes Renda: R$ 391.125,00Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Assistentes: Fábio Pereira (TO) e Jesmar Miranda de Paula (GO)
Cartões amarelos: Vagner Love, Aírton e Kléberson (Flamengo) e Guiñazu, Elton e Dátolo (Internacional)
Gols:
FLAMENGO: Aírton aos 8 e Ronaldinho Gaúcho aos 16 minutos do 1º Tempo e Vagner Love aos 4 minutos do 2º Tempo
INTERNACIONAL: Gilberto aos 32 minutos do 1º Tempo e Fabrício aos 22 e Dátolo aos 25 minutos do 2º Tempo

FLAMENGO: Paulo Victor, Leonardo Moura, Marcos González, Welinton e Magal; Aírton (Amaral), Luiz Antonio (Renato Abreu), Kléberson e Ibson; Ronaldinho Gaúcho (Deivid) e Vagner Love
Técnico: Joel Santana

INTERNACIONAL: Muriel, Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Fabrício; Elton, Guiñazu, Josimar (Maurides) e Jesús Dátolo; Dagoberto (Mario Bolatti) e Gilberto (Marcos Aurélio)
Técnico: Dorival Júnior

Semelhante ao que postei neste ambiente, no sábado, foi um começo surpreendente e um final lamentável. Início arrasador, dois à zero (Aírton e R10), marcação por pressão; toques rápidos e defesa desarmando os poucos ataques do Internacional. Os erros de passes eram muitos, mas a determinação e o furor estavam latentes, semelhante a um caldeirão no inferno que queimava o time colorado. Porém, o Inter conseguiu passar para o purgatório, acelerando o seu jogo e explorando a fragilidade do sistema defensivo armado pelo "treineiro" Joel Santana, depois de 28 dias "treinando".
O céu estava logo ali para o time colorado quando diminuiu a quantia com Gilberto. Porém, no início da segunda etapa, a visão da larva ardente voltou. Vágner Love faria o terceiro e levaria o Flamengo para os andares mais altos da constelação celeste. Mas, como o céu pouco tem existido na vida rubro-negra, Ronaldinho e companhia logo providenciaram o limbo. Falha da defesa, e um belo chute de Fabrício: 3 à 2. Para piorar, Ronaldinho estava com a bola, fazendo firulas, quando um jogador colorado fez semelhante ao que o irmão do gaúcho desejava (Assis entrou na loja do Flamengo e pegou um monte de produtos, sem querer pagar por eles), roubou-lhe a bola e lançou para Datolo empatar. 
E o inferno jaz na Gávea.
Flamengo 3 x 3 Internacional.




Local: Estádio Canindé, São Paulo (SP)

Data: 26 de maio de 2012

Público: 4.638 pagantes Renda: R$ 109.205,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR) 
Assistentes: Luiz Santos Renesto (PR) e Pedro Christino (PR) 
Cartões amarelos: (Vasco) - Allan, (Portuguesa) - Rodriguinho, Gustavo
GOL: Vasco – Alecsandro, aos 20 minutos do primeiro tempo.

PORTUGUESA: Gledson; Rogério, Renato e Gustavo; Luis Ricardo, Léo Silva (Vandinho), Boquita, Henrique (Michael) e Raí; Ananias e Ricardo Jesus (Rodriguinho) 
Técnico: Geninho

VASCO: Fernando Prass; Fagner, Renato Silva, Rodolfo (Douglas) e Dieyson; Nilton, Fellipe Bastos (Leandro Chaparro), Allan e Diego Souza (Carlos Alberto); Eder Luis e Alecsandro 

Técnico: Cristóvão Borges
E o Gigante da Colina segue se recuperando da traumática eliminação da Libertadores 2012. Duas vitórias no início do Brasileirão pra animar a galera. 
A vitória sobre a Portuguesa foi  conseguida com um golaço do Alecsandro, de bicicleta, um dos mais bonitos gols do ano. Com certeza o mais bonito até agora na competição.
A Portuguesa começou a partida saindo mais pro ataque. O Vasco demorou a se acertar, dando muita liberdade para o time da casa. Mas falta um pouco de talento para a Lusa e o cruzmaltino não sofria tantos perigo.
Somente Raí pela esquerda, ameaça o gol de Prass.
Aos poucos, o Vasco equilibrou o jogo, tocando bem a bola, usando bem o lado direito, como forma de levar perigo. E por ali que construiu a jogada que garantiu sua vitória, aos 21 minutos. Após tabela com Eder Luis, Fagner avançou pelo lado direito, cruzou para área. Alecsandro emendou de bicicleta, no lado direito do goleiro Gledson. Um golaço sensacional!

Com a desvantagem, Portuguesa  se mandou pro ataque, deixando alguns espaços que o Vasco não soube aproveitar. O time paulista tentava chegar, mas esbarrava na falta de um meio-campo criativo, que pudesse articular as jogadas. Apesar dos três zagueiros, a Lusa não tinha os alas como força ofensiva.

Enquanto isso, o Vasco esperava o adversário para encaixar os contra-ataques. Apesar do esforço de Fagner e Eder Luis, sempre pela direita, o restante da equipe, principalmente os homens de meio-campo, continuavam a errar passes. Alecsandro teve uma boa chance de ampliar a vantagem, mas o primeiro tempo terminou logo depois que a Portuguesa teve sua melhor oportunidade. Fernando Prass fez boa defesa em chute cruzado de Boquita, aos 44 minutos.

Lusa pressiona e levanta bolas na área, sem sucesso

No segundo tempo, o técnico Geninho mudou o time, apostando em  Michael e Ricardinho  para dar mais velocidade à equipe, que tomou as ações ofensivas e fez o Vasco se complicar. Mesmo aplicado e eficiente na marcação, o time cruz-maltino errava muitos passes e não conseguia armar o contra-ataque.
Cristóvão então fez entrar Carlos Alberto no lugar de Diego Souza, e Fellipe Bastos saiu para dar vaga a Chaparro. 
Mesmo assim, a Lusa continuou pressionando, criando oportunidades que não foram aproveitadas. Se não se reforçar, esse time da Portuguesa é sério candidato ao rebaixamento, de novo.
E assim o Vasco foi se segurando para conquistar a segunda vitória no campeonato, para deixar a Libertadores de lado, em busca do pentacampeonato.
Ainda falta muito para o Vasco brigar pra valer pelo título, precisa buscar um bom meia de ligação para não depender exclusivamente de Felipe e Juninho. Não dá pra contar sempre com Carlos Alberto e Diego Souza. Mas o início de campeonato anima, o time continua com bom conjunto e com a volta do Dedé a torcida pode sonhar!!!
Saudações Vascaínas!






Local: Estádio Couto Pereira, Curitiba (PR)
Data: 27 de maio de 2012
Público: 14.369 pagantes  Renda: 203.835,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP)
Assistentes: Marcelo Van Gasse (Fifa-SP) e João Nobre Chaves (SP)
Cartões amarelos: Jonas e Roberto (Coritiba); Jadson, Dória, Lucas, Lucas Zen e Márcio Azevedo (Botafogo)

Gols: CORITIBA: Lincoln, a 01 minuto do primeiro tempo; Lucas Mendes, aos 05 minutos do segundo tempo
BOTAFOGO: Lucas, aos 18 minutos e Vitor Junior, aos 25 minutos do primeiro tempo; Lucas, aos 40 minutos do segundo tempo

CORITIBA: Vanderlei; Jonas (Ayrton), Demerson, Emerson e Lucas Mendes; Júnior Urso, Sérgio Manoel (Anderson Aquino), Lincoln (Vinícius) e Éverton Ribeiro; Roberto e Everton Costa 
Técnico: Marcelo Oliveira

BOTAFOGO: Renan, Lucas, Brinner, Dória e Márcio Azevedo; Jadson (Lucas Zen), Renato, Fellype Gabriel (Cidinho), Maicosuel (Elkeson) e Vítor Júnior; Herrera 

Técnico: Oswaldo de Oliveira
E a segunda rodada foi muito boa para o Botafogo!
Com mais uma vitória o Botafogo se torna líder do brasileirão ao lado de Vasco e Atlético mineiro com 6 pontos.
O alvinegro começou mal a partida levando um gol aos 30 segundos de jogo num chute de Linconl que desviou no zagueiro estreante Dória e enganou o Renan que substituiu o Jefferson convocado pra seleção.
Mesmo com vários desfalques o Fogão não se entregou e foi atrás do prejuízo, com Lucas e Vítor júnior virou o jogo ainda no primeiro tempo.
No segundo tempo o Coxa (como é chamado o Coritiba por sua torcida) empatou com Lucas Mendes, mas o alvinegro com muito vontade e determinação chegou a vitória por 3 a 2 com Lucas marcando o segundo gol dele no jogo e tirando de vez a URUCA que o perseguiu na final do Carioca e na derrota pra o Vitória da Bahia na Copa do Brasil.
Com isso vamos ver se a torcida deixa ele mais tranquilo pra jogar e que ganhe moral para as próximas partidas.
Queria também ressaltar que o time estava bem desfalcado e que os
jogadores que entraram deram conta do recado, foi o caso do goleiro Renan o zagueiro Dória e o meia Cidinho que é uma grande promessa. O Botafogo se mostrou um time forte mesmo desfalcado o que indica que o grupo é bom e vamos com tudo o que temos pra ganhar este Campeonato Brasileiro.
VAMOS LÁ FOGÃO LÍDER!!!!



Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 27 de maio de 2012
Público: 3.762 pagantes Renda de R$ 65.405,00
Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE) 
Assistentes: Jossemmar Diniz Moutinho e José Wanderlei da Silva (ambos do PE) 
Cartões amarelos: Wallace e Jean (Fluminense); Toró, Canuto, Sandro e Guilherme (Figueirense) 
Cartão vermelho: Wallace (Fluminense) 
Gols: FLUMINENSE: Marcos Junio, aos 16 minutos do primeiro tempo, e Wagner, aos 21 minutos do segundo tempo; FIGUEIRENSE: Caio, aos 12, e Pablo, aos 29 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wallace, Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Jean, Wagner(Lanzini) e Thiago Neves; Marcos Junio (Matheus Carvalho) e Samuel (Fábio Braga) 
Técnico: Abel Braga

FIGUEIRENSE: Ricardo, Pablo, Canuto (João Paulo), Sandro e Guilherme; Túlio, Ygor, Toró(Fernandes) e Roni; Caio (Luiz Fernando) e Júlio César 
Técnico: Argel Fucks

Apesar do empate gostei do time. Mesclados com os jovens, muito em função dos vários desfalques, o time do Flu foi mais leve, tocando bem a bola, envolvendo o experiente time do Figueirense, recheado de jogadores com passagens pelo Rio.
Sem Fred, Wellington Nem, Sóbis e Moura, o ataque do Flu foi de Samuel e Marcos Junior. Enquanto que o Samuel ainda está muito verde ainda, o Marcos Junior está pronto para brilhar no time principal. É rápido, inteligente e finaliza bem, melhor até que o Nem. A grande figura do time de ontem. Marcou o primeiro gol numa jogada coletiva muito bonita de todo o ataque, com uma finalização em que recebeu e mesmo de costas, conseguiu virar e mandar pro fundo do gol, dando a vantagem no placar que o Flu já merecia, pois tinha a maior posse de bola e jogava com extrema tranquilidade. O lateral Wallace acabou deixando o Flu em inferioridade numérica após levar dois cartões amarelos por duas faltas bobas. Aí o Figueirense acordo, tentou pressionar, mas o Flu conseguiu manter a vantagem de 1x0 até o intervalo.
Pra segunda etapa Abel tirou Samuel, peça nula em campo e pôs Fábio Braga, com o Jean ocupando a vaga na lateral-direita. O Flu teve até uma boa chance quando o filho do Abel desviou de cabeça uma boa cobrança de falta do Wagner. Mas o Figueira acabou chegando ao empate, quando Túlio serviu a Caio dentro da área, uma jogada tipicamente alvinegra. O ex-talismã botafoguense mandou para as redes de Cavalieiri.
Mas o Flu não se abateu e Wagner enfim mostrou a que veio ao Fluminense. Já vinha fazendo ótima partida e num belo passe de Marcos Junior fez o segundo gol. Definitivamente, enfim mostra que pode sim, vencer jogando com a camisa tricolor, não pode se acomodar, precisa mostrar ainda muito para enfim cair nas graças da torcida. Mas no domingo já foi um bom começo.
Com um a menos o Flu jogava bem, mas o Figueira não se entregou. aproveitou o recuo do tricolor e partiu em busca do empate, que veio com Pablo, outro ex-jogador do futebol carioca (passagem pelo Vasco). O lateral alvinegro arriscou de fora da área, a bola desviou em Wagner e enganou Diego Cavalieri.
E no finalzinho a torcida presente no Engenhão levou um susto quando Julio César cobrou bem uma falta, obrigando Cavalieiri a fazer uma importante defesa para garantir pelo menos um pontinho, que, devido as circunstâncias, valeu muito a pena.
Agora é aproveitar esses 10 dias para trabalhar o time e torcer para que pelo menos Fred e Deco voltem para que o Flu volte a jogar o futebol que o torcedor deseja.
Vamos lá Fluzão!
Saudações Tricolores, vence o Fluminense!!!


VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!!!


sexta-feira, 25 de maio de 2012

Libertadores da América Quartas de Final Jogo de Volta

E terminou mais cedo a Libertadores  mais carioca de todos os tempos. Fluminense e Vasco foram eliminados com gol no fim, crueldade tamanha para seus torcedores. Mas fizeram campanhas dignas das suas tradições e deixam esperança de dias melhores para suas torcidas.





Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 23 de maio de 2012
Público: 31.280 pagantes  Renda: R$ 1.628.740,00
Árbitro: Enrique Osses (Chile)
Assistentes: Francisco Mondría (Chile) e Carlos Astroza (Chile)
Cartões Amarelos:Jean(Flu);Orion, Mouche(BC);
Gols:
FLUMINENSE: Thiago Carleto aos 17 minutos do primeiro tempo
BOCA JUNIORS: Santiago Silva aos 45 minutos do segundo tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Anderson e Carleto; Edinho, Jean, Wagner(Wellington Nem) e Thiago Neves; Rafael Sobis(Marcos Junior) e Rafael Moura
Técnico:Abel Braga

BOCA JUNIORS: Orion; Roncaglia, Schiavi, Insaurralde e Clemente Rodríguez; Diego Rivero, Cristian Erbes(Sánchez Miño), Erviti(Caruso) e Riquelme; Cvitanich (Mouche) e Santiago Silva
Técnico: Julio César Falcioni

O sonho do primeiro título da Libertadores acabou para o Fluminense. E com requintes de crueldade. Santiago Silva, o bonde argentino, marcou o gol de empate aos 45 minutos do segundo tempo. O gol tricolor foi marcado por Thiago Carleto, logo no início da partida, em cobrança de falta.
Machucados, Fred, Deco, Valencia e Diguinho fizeram falta à equipe tricolor, que saiu de campo aplaudida pela torcida no Engenhão, 36.276 presentes, que saíram tristes, mas orgulhosos do esforço da equipe.

Empurrado pela torcida, o Flu partiu para cima do Boca desde  o início.Com velocidade e boas tabelas, chegava ao ataque com perigo. Foi assim na primeira trama ofensiva, quando Thiago Neves tocou para Sobis, e o atacante preferiu cruzar em vez de arriscar o chute. Schiavi conseguiu cortar de carrinho.

A superioridade em campo foi premiada com um gol logo aos 17 minutos. Em uma cobrança de falta de longa distância, Thiago Carleto chutou forte, a bola desviou em Rivero e mansamente entrou no cantinho direito do goleiro Orión: 1 a 0 no placar e festa verde, branco e grená na arquibancada.

Perdido em campo, o Boca pouco ameaçava. Riquelme era a cabeça pensante no meio, que organizava o time. Mas o sistema defensivo do Flu estava ligado, não dava espaço. Diego Cavalieri assitia a partida de camarote. Os argentinos criaram apenas dois lances de algum perigo. No primeiro, Carleto travou chute de Santiago Silva. No segundo, Schiavi desviou de cabeça uma bola levantada na área e mandou para fora.
Como o 1 a 0 apenas levava a decisão para os pênaltis, o Flu seguiu pressionando. Antes do fim do primeiro tempo, Sobis e Thiago Neves assustaram Orión com chutes de média distância.


O Boca Juniors voltou do vestiário sem alterações, mas a postura mudou bastante. E a do Fluminense também. Os argentinos passaram a povoar mais o campo de ataque e a rondar o gol de Cavalieri. Nas bolas aéreas, levava muito perigo, principalmente com o veterano Schiavi. Diante do novo panorama, o Tricolor passou apostar nos contra-ataques. Só que não botava a bola no chão, apelava para o chutão e aí a coisa não funcionou.
Para dar gás e mais velocidade ao time, Abel colocou Wellington Nem no lugar de Wagner, mais uma vez apagado.
O tempo ia passando e a possibilidade da disputa ir para os pênaltis se aproximava, a tensão tomava conta do campo e das arquibancadas. Cada bola levantada na área tricolor era um sufoco. Thiago Neves, em atuação tecnicamente fraca, errou uma saída de bola, e Santiago Silva mandou à esquerda de Cavalieri. O camisa 7 quase se redimiu com um chute forte de dentro da área, que Orión defendeu. Na sequência do lance, Rafael Moura teve ótima oportunidade, mas demorou a chutar, e a zaga cortou antes que a bola entrasse.
Mas o pior ainda estava por vir... E no final da partida, para não dar tempo de reação. O Boca, experiente que só, sabe disso, e deu o golpe de misericórdia no momento certo. Rivero recebeu lançamento de Riquelme e chutou cruzado, a bola bateu na trave, Diego Cavalieri ainda cortou em cima da linha e ficou limpa para Santiago Silva apenas empurrar para dentro e classificar o Boca.
Um duro golpe num time que foi o melhor time da primeira fase, que infinitamente tem mais talento do que o Boca e que foi eliminando cruelmente. O torcedor que sempre apoia o time não merecia sofrer desse modo. Uma pena, pois tenho certeza absoluta de que poderia ir mais longe nessa Libertadores. Palmas para o esforço. 

Mas... momento de desabafo.
O time lutou, foi guerreiro. Sim, claro. Mas já tá na hora, também do time parar de só lutar, né? Essa história de que o time lutou não pode ser usada em toda derrota, né? Já tá na hora de parar de lutar e ganhar. Esse time do Boca é muito ruim, o Flu é infinitamente melhor do que o Boca, era obrigação nossa passar por eles... 
Aceito a luta, a entrega, mas a verdade tem que ser dita, alguns jogadores só pensaram em lutar e esqueceram do mais importante: JOGAR FUTEBOL! Só com luta não se chega a lugar algum, tem que jogar também, senão vai sempre morrer na praia... Esse elenco que foi montado é pra jogar mais do que vem jogando, pode ser guerreiro sim, mas com esse material humano todo, era pra jogar bem melhor do que jogou.
O Boca, é o Boca, joga com sua camisa, sua tradição?
Sim, claro, mas o Flu também tem camisa, até o Once Caldas já tirou título do Boca, que tinha um time infinitamente melhor do que desse ano. 
Vendeu caro a derrota, sim, vendeu. Mas perdeu, de novo... Chega de só lutar, tá na hora de ganhar, infelizmente só os vencedores ficam na história, daqui a 20 anos ninguém mais vai ser lembrar que o Flu vendeu caro a derrota, só fica os vencedores... O futebol é assim, o que se pode fazer... Quero ver o nome do Flu cravado na Taça da Libertadores da América, é o que eu mereço depois de sofrer três rebaixamentos consecutivos, ir até o inferno da Terceira Divisão, ser chamado de "timinho" por tantos anos...
É o meu desabafo, mas continuo firme e forte na torcida, e espero que essa derrota sirva para fortalecer mais ainda o clube, para que, quem sabe já em 2013, a história seja diferente...

Saudações tricolores, vence o Fluminense!






Local: Estádio do Pacaembu, São Paulo (SP) 
Data: 23 de maio de 2012
Público: 35.974 pagantes  Renda: R$ 2.723.055,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (BRA) 
Assistentes: Altemir Hausmann (BRA) e Carlos Berkenbrock (BRA) 
Cartões amarelos: Jorge Henrique, Alessandro, Paulinho (Corinthians); Eder Luis, Juninho Pernambucano, Nilton, Renato Silva (Vasco) 
Gol: CORINTHIANS: Paulinho, aos 42 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Paulinho, Ralf, Danilo e Alex; Jorge Henrique (Willian) e Emerson (Liedson) 
Técnico: Tite

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Renato Silva, Rodolfo e Thiago Feltri (Felipe); Nilton, Rômulo, Juninho Pernambucano e Diego Souza; Eder Luis (Carlos Alberto) e Alecsandro
Técnico: Cristóvão Borges
Então é isso, galera vascaína. Não tem mais Trem-Bala da Colina na Copa Libertadores.
Num dia em que o Vasco jogou de igual pra igual

Em jogo tenso, dramático, disputado da forma mais digna por todos que estiveram em campo, um gol aos 42 minutos do segundo tempo deixou o Pacaembu em êxtase. Paulinho de cabeça fez o gol que tirou o Vasco da Liberta. 
Mas foi injusto, o cruzmaltino foi melhor nas duas partidas, porém não conseguiu furar a forte defesa corintiana. Ainda por cima, Diego Souza perdeu um dos gols mais inacreditáveis de todos os tempos. Um balde de água fria em toda torcida.

O jogo não foi bom tecnicamente, os torcedores não devem ter ficado felizes com o primeiro tempo. Respeito pelo adversário e medo de sofrer um gol decisivo se misturavam e faziam os jogadores pensarem duas vezes antes de arriscar um chute, os goleiros preferirem socar a bola do que arriscar segurá-la.
Eram tanta vontade, tanta entrega e tantos carrinhos que as faltas se tornaram inevitáveis. Falta que Juninho arriscou, Cássio rebateu mal, para o meio da área, mas a bola bateu no Alecsandro, e não entrou. Numa segunda tentativa, o Reizinho quase acertou  o ângulo.
Éder Luiz foi bastante acionado, mas errou muito. Ainda assim, a melhor opção de ataque vascaíno. Apesar de tudo, foi um bom primeiro tempo do Vasco.
Segundo tempo e o panorama não mudava.
O tempo passava e a tensão dominava o Pacaembu. Era chute pra todo lado, deixando o jogo mais feio. 
Mas aí veio o lance capital da partida para o Vasco.
Diego Souza interceptou chute de Alessandro no meio de campo e disparou sozinho contra Cássio. Era ele e o goleiro corintiano, mas ao chegar perto da área, chutou muito fraco e o arqueiro fez a defesa. Mérito de Cásso? Na minha opinião, erro fatal do camisa 10 do Vasco. Poderia ter chegado mais perto do gol, colocado por cima, driblado o goleiro ou chutado mais forte. Não fez nada disso...
E pra piorar, na cobrança do escanteio, o volante Nilton acertou o travessão.
A partir daí, o Corinthians pressionou, sufocando o Vasco em seu campo. Já no final da partida, Emerson chuta, Prass desvia e a bola  ainda bate na trave. Após a cobrança de escanteio. Paulinho subiu muito e numa cabeçada mortal, faz o gol da classificação do alvinegro paulista.
A partir daí, o Vasco arriou os pneus e não conseguiu o golzinh que garantiria a classificação. Gol esse que esteve nos pés de Diego Souza. Vilão da partida? Deixo pra você torcedor vascaíno decidir.
A bem verdade é que o Vasco tinha totais condições de vence o Corinthians. Jogou melhor em três dos quatro tempos da decisão. Faltou acreditar que seria possível. O Timão é um time bem montado taticamente, mas não é invencível. E nem tem um jogador como o Neymar que desequilibra. Mas agora já era, passou. Juntar os cacos pois tem ainda o Brasileirão por aí e esse time tem todas as chances de brigar pelo título e pela vaga na próxima Libertadores. Basta acreditar!
Saudações vascaínas!!!

VALEU GALERA, ATE A PRÓXIMA!!!

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Campeonato Brasileiro 2012 Primeira Rodada

E começou o Brasileirão, o campeonato nacional mais difícil do mundo. E os times cariocas entram tentando repetir a boa campanha de 2011, quando brigaram na parte de cima da tabela, com três times se classificando para a Libertadores da América.
Nessa primeira rodada, três vitórias e um empate, uma boa performance para início de temporada.






Local: Ilha do Retiro, Recife (PE) 
Data: 19 de maio de 2012
Árbitro: Paulo César Oliveira (Fifa-SP) 
Assistentes: Marcelo Van Gasse (Fifa-SP) e Vicente Romano Neto (SP) 
Cartões amarelos: Edcarlos e Naldinho (Sport); Bottinelli e Wellinton (Flamengo) 
GOLS: SPORT: Marquinhos Gabriel, aos 12min do segundo tempo 
FLAMENGO: Vagner Love, aos 28min do segundo tempo

SPORT: Magrão; Tobi, Bruno Aguiar e Edcarlos; Moacir, Rithely, Naldinho (Diogo Oliveira), Thiaguinho (Renê) e Rivaldo; Marquinhos Gabriel e Felipe Azevedo (Ruan) 
Técnico: Gustavo Bueno (interino)

FLAMENGO: Paulo Victor; Leonardo Moura, Marcos González, Welinton e Magal; Rômulo (Amaral), Luiz Antônio, Kléberson e Bottinelli (Deivid), Ronaldinho Gaúcho e Vagner Love 
Técnico: Joel Santana
Mais um jogo pelo Estadual.

O que falar de um jogo contra o Sport, de Recife, pelo Estadual? 
Eu sei que o jogo foi pelo Brasileirão 2012, mas as impressões são as mesmas das atuações vergonhosas no fraco campeonato que o Fluminense venceu.
O que falar da atuação de um time dependente de jogadas individuais, depois de 28 (vinte oito) dias “treinando”?
O corajoso que assistiu ao jogo no sábado, percebeu que falta quase tudo para o Flamengo ser considerado um time de futebol. O sistema defensivo não existe. Aliás, constatei que o chileno (brasileiro) é pior que o Wellington. Pode!
Percebi que Ronaldinho Gaúcho continua o mesmo, que não há jogadas ensaiadas e nem planos de jogo. O que aconteceu, então, nesses 28 dias?
Porém, alguns fatos interessantes ocorreram: a boa atuação do goleiro, a boa fase de Léo Moura; Kleberson, novamente, o melhor do time e a critica feita por R10 ao trabalho de Joel Santana. A única coisa que desejo saber é: Quem será o próximo treinador, ou alguém, em sã consciência, acha que o Joel durará muito tempo depois da divergência com o “exemplar profissional” que é o gaúcho decadente? 

Sobre o jogo, o fraquíssimo Sport jogou melhor durante todo o primeiro tempo, abrindo o placar com Marquinhos Gabriel.
No segundo tempo, em uma boa triangulação, R10 tocou para Kleberson que colocou Vagner Love na cara do gol.
Enfim, um empate melancólico e muita coisa a ser feita.




Local: Estádio Pacaembu, São Paulo (SP)
Data: 20 de maio de 2012, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Público: 14.791 pagantes  Renda: R$ 419.729,00
Árbitro: Fabrício Neves Corrêa (RS)
Assistentes: Altemir Hausmann e José Chaves Filho (ambos do RS)
Cartões amarelos: Ramon, Douglas (Corinthians); Matheus Carvalho, Rafinha (Fluminense)
Gol: FLUMINENSE: Leandro Euzébio, aos 26 minutos do segundo tempo

CORINHIANS: Cássio; Welder, Antonio Carlos, Marquinhos e Ramon; Willian Arão (Adilson), Ramírez e Douglas; Gilsinho (Elton), Willian e Liedson
Técnico: Tite

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Wallace, Wellington Carvalho, Leandro Euzébio e Carleto; Digão, Fábio Braga (Rafinha) e Lanzini (Jean); Matheus Carvalho (Carlinhos), Marcos Júnior e Samuel
Técnico: Leomir de Souza (auxiliar)
O Fluminense começa com pé direito o Campeonato Brasileiro versão 2012. Jogando com time recheado de reservas e juniores, vence o Corinthians, também com time reserva, por 1x0, gol de Leandro Euzébio, aos 26 minutos do segundo tempo e vai com muita moral para a batalha da Libertadores, na quarta-feira, no Engenhão.

Apostando na prata da casa, Abel Braga escala o time com 7 jogadores formados em Xerém, contra um time também reserva, mas com jogadores muito experientes, como Douglas, Liédson e Willian. O começo do jogo era o que se esperava, o Timão, apoiado pela massa alvinegra, que foi em bom número no Pacaembu. O Flu não arriscou muito na primeira etapa, se limitou a se defender, mas até teve uma boa chance com Matheus Carvalho finalizando para boa defesa do goleiro Cássio. E outra com Thiago Carleto, batendo falta forte, outra defesa do arqueiro corintiano.
O Corinthians pressionava, mas era incompetente nas finalizações. Um pênalti foi reclamado, um pisão em cima de Willian, mas o árbitro mandou seguir.
Vendo que o Timão não tinha força para chegar no gol, o Flu foi mais incisivo na segunda etapa. Saiu mais pro jogo, deu espaço para o Corinthians, mas ambos pecavam demais nas finalizações... 
Douglas teve uma boa chance, deu um bom chute, a bola bateu na trave, nas costas de Berna, e voltou para as mãos do camisa 1 tricolor, um lance de muita sorte.
Mas o Flu acabou chegando ao gol da vitória num lance de bola parada. Cobrança de escanteio de Marcos Junior, Leandro Euzébio subiu mais que todo mundo e mandou de cabeça para as redes de Cássio: 1x0. O Timão partiu então com tudo pra cima, mas a garotada do Flu segurou bem as pontas e saiu do Pacaembu com uma vitória que não vinha há muito tempo.
Importante os três pontos, largar bem no começo de um campeonato tão longo e difícil, dar moral para a garotada de Xerém que tem muito futuro e ainda por cima tirar a invencibilidade de um adversário que vai brigar tanto como o Fluminense pelo título brasileiro. Valeu demais essa importante vitória e agora, pensar somente no Boca, temos tudo para reverter o resultado e conseguir a classificação. Vamos conseguir, esse time é guerreiro e já mostrou que não tem coisa impossível para o Time de Guerreiros!

Saudações tricolores, vence o Fluminense!





Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 20 de maio de 2012
Público: 4.836 pagantes   Renda: R$ 215.010,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa-PE) 
Assistentes: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Jossemmar Moutinho (PE) 
Cartões amarelos: Paulo Miranda, Luis Fabiano (São Paulo) 
Cartão vermelho: Oswaldo de Oliveira

Gols: 
BOTAFOGO: Herrera, aos 4, e aos 23, Vítor Júnior, aos 27, e Herrera, aos 32 minutos do segundo tempo
SÃO PAULO: Jadson, aos 12 minutos do primeiro tempo; Luis Fabiano, aos 16 minutos do segundo tempo

BOTAFOGO: Jéfferson; Lucas, Brinner, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Jadson, Renato, Fellype Gabriel (Lucas Zen), Vítor Júnior (Gabriel), Maicosuel; Loco Abreu (Herrera) 
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SÃO PAULO: Denis; Douglas, Paulo Miranda, Rhodolfo e Cortez; Denilson, Casemiro (Fernandinho), Cícero e Jadson (Maicon); Lucas e Luis Fabiano
Técnico: Emerson Leão
Vida nova pro Botafogo!!!

Com a chegada do Brasileirão é vida nova pro Alvinegro e na primeira rodada já encarando o São Paulo no Engenhão, o Botafogo aplica uma sonora goleada no time do Emerson Leão que caiu de 4 a 2, com direito a três gols de Herrera e um de Vitor Junior(ex-Corinthians).
O que também foi importante foi o poder de reação do time que mesmo enfrentando bons jogadores como Lucas e Casemiro, o Fogão não se intimidou mas pro outro lado mostrou também fragilidade em seu sistema defensivo que sem o zagueiro Antônio Carlos fica muito vulnerável.
Como é apenas a primeira rodada vou dar crédito ao time, mas este é um ponto fraco da equipe de Oswaldo de Oliveira pra este Brasileirão.
Começar com vitória é sempre muito bom mas temos que melhorar sempre.
Feliz Aniversário NILTON SANTOS por seus 87 anos... o melhor lateral de todos os tempos... Obrigado pro tudo que você fez pelo nosso Glorioso Botafogo!
Vamos lá Fogão!!!





Local: São Januário, Rio de Janeiro 
Data: 20 de maio de 2012 (Domingo) 
Árbitro: Célio Amorim (SC) 
Assistentes: Nadine Camara Bastos (SC) e Kléber Lucio Gil (SC) 
Cartões amarelos: Renato Silva e Juninho Pernambucano (Vasco); Naldo e Marco Antônio (Grêmio) 
GOLS: 
VASCO: Fellipe Bastos, aos 22 minutos do primeiro tempo; Alecsandro, aos 23 minutos do segundo tempo
GRÊMIO: Fernando, aos 25 minutos do primeiro tempo

VASCO: Fernando Prass; Allan, Rodolfo (Rômulo), Renato Silva e Dieyson; Eduardo Costa, Nílton, Fellipe Bastos, Carlos Alberto; Willian Barbio (Juninho Pernambucano) e Kim (Alecsandro) 
Técnico: Cristóvão Borges

GRÊMIO: Victor; Edilson, Saimon, Naldo (Leandro) e Pará; Vilson, Fernando, Marquinhos (Rondinelly) e Marco Antonio; Miralles e André Lima (Marcelo Moreno) 
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
E o Gigante da Colina começa bem o Brasileirão. Jogando com alguns reservas, o time comandado por Cristóvão Borges supera o Gremio de Vanderlei Luxemburgo por 2x1, em São Januário, com direito a pênalti defendido por Fernando Prass.
Sim, Prass pegou um pênalti, então era dia mesmo do Vascão vencer...
Os times eram de reservas, ou mistos, bom, é a mesma coisa. O Vasco de olho na Libertadores e o Grêmio, com a cabeça na Copa do Brasil. Então o jogo não foi lá tecnicamente um jogo que se diga, "oh! que bela partida..."
O Grêmio começou incomodando, sabedor que o time vascaíno tem  na sua defesa seu ponto fraco, principalmente sem Dedé. E foi pressionando, criando boas jogadas com Miralles e André Lima.
O Vasco só foi assustar aos 19, com Willian Barbio, que girou sobre o seu marcador e bateu forte, para boa defesa de Victor.
Mas na jogada seguinte, sai o gol vascaíno. E que bela pancada!
Fellipe Bastos, o novo Canhão da Colina, bateu uam falta com violência, a bola quicou e enganou Victor: 1x0, aos 23 minutos.
Mas logo depois, aos 26, empate do Grêmio. Rondinelly ajeitou para o volante Fernando bater da entrada da área. A bola desviou em Nilton e entrou no lado esquerdo do gol de Fernando Prass: 1x1. E ainda teve avalanche, a tradicional comemoração dos gaúchos.
Na segunda etapa, Cristóvão colocou Juninho e Alecsandro para aumentar o poder de fogo vascaíno. E a dupla funcionou perfeitamente. Aos 23 minutos, Juninho cruzou da esquerda, Alecsandro apareceu livre na segunda trave e cabeceou firme, para o chão: 2 a 1 Vasco. Antes, os gremistas reclamaram de um gol anulado pelo árbitro, que marcou falta de André Lima em Rodolfo, que se chocou em Prass, deixando o gol vazio para Marco Antonio completar.
Mas o Grêmio teve mais uma chance de empatar. 
Renato Silva foi cortar um cruzamento, cabeceou a bola, que bateu no braço direito dele. o árbitro Célio Amorim marcou o pênalti. Marcelo Moreno bateu forte, mas Fernando Prass caiu no seu canto direito para defender.
O mesmo Marcelo Moreno teve a chance de se redimir nos acréscimos, mas cabeceou para fora, rente à trave esquerda de Prass.
E ficou nisso: Vasco 2x1. Próxima parada no Brasileirão, sábado, no Canindé, clássico lusitano com a Portuguesa.
Saudações vascaínas!

VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA.
 

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Libertadores da America Quartas-de-final

Fluminense e Vasco entraram em campo, pela fase quartas-de-final da Libertadores da América. Enquanto o cruzmaltino ficou no 0x0 com o Corinthians em casa, o tricolor foi a Bombonera e perdeu para o Boca, por 1x0. Mas tá tudo aberto ainda, os times cariocas tem tudo para conseguir a classificação para as semifinais da competição.




Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 16 de maio de 2012

Público: 17.259 pagantes  Renda: R$ 911.670,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (BRA)

Assistentes: Alessandro Rocha (BRA) e Roberto Braatz (BRA)

Cartões amarelos: Juninho Pernambucano e Nílton (Vasco); Alessandro e Jorge Henrique (Corinthians)

VASCO: Fernando Prass; Fagner, Renato Silva, Rodolfo e Thiago Feltri; Rômulo, Nilton, Juninho Pernambucano (Felipe) e Diego Souza (Carlos Alberto); Eder Luis e Alecsandro
Técnico: Cristóvão Borges

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Paulinho, Ralf, Danilo (Elton) e Alex (Douglas); Jorge Henrique e Emerson (Willian)
Técnico: Tite
A chuva atrapalhou um bom futebol em São Januário, na primeira partida das quartas-de-final entre Vasco e Corinthians. O gramado de São Januário, muito pesado, atrapalhou e muito o time do Gigante da Colina, já que o Corinthians é um time que se defende muito... E o Vasco tem dois jogadores muito técnicos, os armadores do time, que são Felipe e Juninho que já não gozam de boa condição física pela idade. Éder Luiz e Fágner eram as válvulas de escape do time vascaíno, mas a condição do gramado prejudicou bastante... Alex e Juninho tentaram de bola parada, mas Fernando Prass e Cássio seguraram as pontas para seus times.
Na segunda etapa o jogo foi um pouco melhor, o time do Vasco chegou mais ao ataque, com Éder Luiz e Diego Souza, com o Timão contra-atacando com Jorge Henrique de peixinho para boa defesa de Prass.
Aí chegou o momento da grande polêmica: o gol anulado de Alecsandro. No tira-teima da Fox, gol legal, Emerson dava condição. Mas no da Globo, impedimento. O grande problema é que o mesmo árbitro, Sandro Meira Ricci, de novo em polêmica num lance favorecendo o Corinthians... Bom, quem marcou o impedimento foi o auxiliar Alessandro Rocha Mattos, porém o juiz confirmou e então...
Carlos Alberto e Felipe entraram nas vagas de Juninho e Diego Souza, mas não adiantou muito.
Agora, a decisão fica para o Pacaembu, tá tudo muito aberto, um novo empate com gols dá a vaga para o Vasco, além de vitória com qualquer placar, então, o time está totalmente dentro na decisão, e vamos buscar essa classificação, a torcida pode ter certeza de que não vai faltar empenho e garra para buscar a classificação lá em São Paulo.
Saudações Vascaínas!!!

Local: Bombonera, Buenos Aires
Data: 17 de maio de 2012
Árbitro: Jose Hermando Buitrago
Cartões amarelos: Clemente Rodrigues, Erviti (Boca)
Carlinhos, Edinho, Carleto (Flu)
Cartão vermelho: Carlinhos (Flu)

BOCA JUNIORS: Orión, Roncaglia, Schiavi, Inssuralde, Clemente Rodriguez; Rivero, Erbes(Blandi), Erviti, Riquelme; Cvitanich(Araujo) e Mouche
Técnico:Julio Falcioni

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Jean, Wagner e Thiago Neves(Digão); Rafael Sobis(Thiago Carleto) e Rafael Moura(Marcos Junior)
Técnico: Abel Braga
Vai ter volta, tá bom Boca Juniors!

O Fluminense voltou da Bombonera com uma derrota de 1x0, mas com muita esperança no jogo de volta.
Sofreu pressão do Boca lá dentro. Surpresa? Claro que não, estava tudo dentro do possível. Jogando com 5 desfalques importantes, principalmente Fred e Deco, jogando com um a menos e contra um juiz mal-intencionado e perdendo só por um gol, tá tudo aberto para o jogo de volta.
O tricolor começou bem o jogo, marcando a saída de bola do Boca, teve uma boa oportunidade logo no começo, com o Bruno cruzando uma bola que quase chegou no Thiago Neves. Aos poucos, o Boca ia acertando os passes e a marcação no campo do Flu e aí, tome pressão! Diego Cavalieri começava a operar seus milagres, uma excelente atuação do goleiro tricolor. O Boca era só pressão, mas o sistema defensivo ia se virando como pode. Mas aí, aos 34 minutos, depois de levar um cartão amarelo por um carrinho desnecessário, o lateral Carlinhos põe a mão na bola pra evitar um contra-ataque e o juiz acertou ao dar o segundo cartão e expulsar o lateral tricolor. Foi a única em que esse cidadão mal-intencionado acertou no jogo... O lance capital do jogo ele errou feio! Numa cobrança de escanteio, Anderson sobe sozinho, cabeceia na direção do gol, mas a bola que ia pro gol é desviada no meio do caminho pelo zagueiro Roncaglia. Pênalti claro que o Buitrago ignorou, e foi na cara dele... Seria 1x0 pro Flu e o jogo seria outro...
A pressão era insuportável, mas os guerreiros tricolores, principalmente o goleiro, salvavam a noite.

Mas aí no segundo tempo, o gol do Boca saiu: Mouche recebe de Cvitanich e bate no canto. 6 minutos, Boca 1x0 Flu. A pressão argentina até tinha diminuído em campo, o Flu poderia retomar o comando do jogo, mas com um a menos e com o Wagner totalmente fora da partida, o time não conseguiu chegar no ataque. E com o juiz sendo quase que como um guarda-costas dos jogadores do Boca, o Abel resolveu fechar mais o time, tentando manter pelo menos o placar mínimo. O Boca ainda teve outras boas oportunidades, mas ficou nisso mesmo: 1x0.
Na partida de volta, o Flu vai precisar, primeiro do apoio dos seus torcedores, o Engenhão tem que lotar e a torcida fazer uma pressão como os torcedores boquenses fizeram. E o retorno de alguns titulares, Fred e Deco talvez não voltem, mas Diguinho, Valencia e Wellington Nem podem retornar. Fazer valer o mando de campo e partir pra dentro, não deixar o Boca respirar, nem fazer a tradicional catimba. Vantagem de 1x0 é pouco e se o Boca jogar só isso, vai levar um saco. Só espero que não me venha um outro homem no apito para atrapalhar... Time por time, sou mais o meu Flu, vai ter volta seu Boca, pode esperar que a sua hora vai chegar!!!
Saudações Tricolores, vence o Fluminense!


VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Fluminense campeão carioca de 2012

Aconteceu o que já era esperado. Depois da goleada na primeira partida por 4x1, o Botafogo não consegue reverter a grande vantagem obtida pelo Flu e o tricolor levanta a 31ª taça de campeão carioca, com mais uma vitória, desta vez por 1x0, gol de Rafael Moura. Fluzão Campeão Carioca de 2012!!!






Local: Estádio João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 13 de maio de 2012
Público: 20.544 pagantes  Renda: R$ 738.185,00

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ

Assistentes: Wagner Santos e Jackson dos Santos (ambos do RJ) 
Cartões amarelos: Maicosuel e Loco Abreu (Botafogo ); Bruno, Diego Cavalieri e Anderson (Fluminense) 
Cartão vermelho: Maicosuel (Botafogo)
Gol: 
FLUMINENSE: Rafael Moura, aos 17 minutos do segundo tempo 

BOTAFOGO: Jéfferson; Gabriel (Caio), Brinner, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Jadson, Renato, Fellype Gabriel, Elkeson (Herrera) e Maicosuel; Loco Abreu (Vitinho) 
Técnico: Oswaldo de Oliveira

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno (Fábio), Gum, Anderson e Carlinhos; Edinho, Jean, Deco (Wagner) e Thiago Neves; Rafael Sobis (Marcos Junio) e Rafael Moura
Técnico: Abel Braga
É campeão! É campeão! É campeão!

Dessa vez não teve jeito, o Fluminense é campeão carioca de 2012. Todo ano era a mesma história, o Flu montava o melhor elenco, no papel, mas em campo não justificava tanto investimento por parte da patrocinadora, e o time sempre morria na praia. Desde 2005 é sempre a mesma história.
Mas desta vez não teve jeito, o Flu vence os dois jogos da final e se sagra campeão carioca pela 31ª vez. Mais do que obrigação pelo investimento feio nesse elenco que esbanja opções, um banco de reservas de dar inveja...
Não tem como analisar a segunda partida, sem mencionar a primeira... A atuação dos dois times foi reflexo da goleada de 4x1 imposta pelo Flu no domingo passado. O time do Botafogo começa o jogo partindo pra cima, buscando descontar a vantagem de três gols, enquanto o Flu segurava a pressão alvinegra. Oswaldo de Oliveira postou o time do Botafogo marcando a saída de bola do Flu, marcando sob pressão e deixando o garoto Jadson na marcação individual em cima do Deco, para que o maestro tricolor não tenha a liberdade que teve no primeiro jogo.
Mas a pressão imposta pelo Bota foi bem administrada pelo Flu. O alvinegro tinha muito volume de jogo, mas o tricolor jogou como nas últimas partidas, frio, calculista e esperando o momento certo para contra-atacar. É bem verdade que o Bota teve uma excelente oportunidade com Loco Abreu, que perdeu na cara de Cavalieri, que fez grande defesa. Mas o Flu também desperdiçou logo na sequência com Rafael Moura. Os times iam se revezando no ataque, com o alvinegro sempre com mais posse de bola, mas o jogo seguia empatado.
Na segunda etapa, o Fogão veio com tudo, colocando Herrera na frente, ao lado de Loco Abreu, pra aumentar a pressão em cima do Flu. Mas acabou levando o gol que veio como uma ducha de água fria, como a que caía no Engenhão: aos 17 minutos, jogada de Carlinhos pela esquerda e o cruzamento pro meio da muvuca, Rafael Moura escora a bola e manda pro fundo do barbante.
Acaba assim a chance de título pro Botafogo e o torcedor tricolor, maioria absoluta no Engenhão, solta definitivamente o grito de gol e comemora mais um título estadual, o 31º, encostando de novo no Flamengo, que tem 32. É a busca da hegemonia perdida nesses 7 anos sem título estadual.
Mas a galera tricolor quer mesmo é o título da Libertadores. Não vai ser fácil, o Boca é um grande time e o Flu, que já não tinha Fred, ainda não terá Wellington Nem e Diguinho, pode ficar sem Deco, que saiu machucado. Time muito quebrado para a batalha da Bombonera. Mas a torcida confia nos Guerreiros Tricolores e na força do nosso elenco.
Saudações Tricolores, vence o Fluminense!


Em mais um jogo ruim o Botafogo perde pro Fluminense no segundo jogo da final decepciona sua torcida.
Com alguns desfalques e um pouco de falta de sorte o Botafogo enfrentou o Fluminense de igual pra igual desta vez, mas com o passar do tempo o gol não saiu.

o Fluminense inteligentemente administrando a vantagem soube cozinhar o tempo até que aos 17 minutos do segundo tempo Rafael Moura fez o gol que encerraria as pretensões do Alvinegro no jogo e no campeonato e que ainda perdeu o Mago expulso por levar dois cartões amarelos.
Bem... É preciso que a diretoria se mova mais rápido com relação as contratações porque já vimos que só com Lucas e Márcio Azevedo nas laterais não dá... outra coisa é o Felipe Menezes que também esta bem abaixo do que se esperava dele, pode ir embora que o Glorioso não vai sentir nenhum falta. E pro ataque que o Jobson resolva se quer mesmo jogar ou não.
Mas não dá pra dizer que está tudo perdido logo temos o Brasileirão e a Copa Sul-Americana que serão as chances deste time se redimir do final catastróifico no Cariocão e na Copa do Brasil.
Vamos lá Fogão!!!!



VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!!!

Copa do Brasil Botafogo eliminado

E mais uma vez o Botafogo é eliminado da Copa do Brasil. Podendo empatar sem gols, o time até saiu na frente, mas permitiu a virada do Vitória e deu adeus a competição. E, de novo, o lateral Lucas foi expulso e prejudica o time...



Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 9 de maio de 2012
Público: 6.623 Renda: R$ 222.830,00 
Árbitro: Paulo César Oliveira (Fifa-SP) 
Assistentes: Vicente Romano Neto (Fifa-SP) e Fábio Baesteiro (SP) 
Cartão Amarelo: Brinner,Elkeson, Herrera, Loco Abreu e Maicosuel(Botafogo); Rodrigo Mancha(Vitória) 
Cartão Vermelho: Lucas(Botafogo); Pedro Ken(Vitória) 
Gols: BOTAFOGO:Elkeson aos 20 minutos do primeiro tempo 
VITÓRIA:Pedro Ken aos 11 minutos e Tartá aos 23 minutos do segundo tempo

BOTAFOGO: Jefferson; Lucas, Brinner, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Marcelo Mattos(Vítor Júnior), Renato, Felipe Menezes(Gabriel), Elkeson(Herrera) e Maicosuel; Loco Abreu 
Técnico: Oswaldo de Oliveira

VITÓRIA: Douglas; Léo(Romário), Gabriel Paulista, Rodrigo e Wellington Saci; Uelliton, Rodrigo Mancha, Pedro Ken e Geovanni(Dinei); Tartá e Neto Baiano (Mineiro) 
Técnico: Ricardo Silva
E mais uma vez o Botafogo é eliminado da Copa do Brasil.
Em um jogo que estava nas mãos alvinegras o Botafogo deixa escapar a classificação em 45 minutos.
O time estava bem mesmo sem o Andrezinho ainda machucado e fez seu gol com Elkeson aos 9 minutos do primeiro tempo e mesmo não jogando um bom futebol era melhor que o Vitória/BA.
Mas no segundo tempo tudo mudou, depois de já ter salvado uma bola que seria gol certo pro Vitória, Lucas o mesmo do final de semana é expulso novamente por salvar o Fogão de levar o gol mas desta vez com as mãos cometendo o pênalti e a consequente expulsão mais que correta, o pênalti foi batido por Neto Baiano o artilheiro da temporada com até então 29 gols mas com muita sorte e categoria o nosso paredão Jefferson defendeu.
Mesmo assim o Vitória não se abalou e correu atrás pressionou o agora frágil Botafogo com um a menos e conseguiu seu dois gols um de Pedro Ken e outro com Tarta (ex-Flu).
A ironia do momento é que um time que não sabia o que era derrota na temporada perde as duas partidas mais importantes do semestre, a traumática derrota de domingo contra o Fluminense por 4 x 1 afetou muito o time que se desestabilizou e agora só nos restam a copa Sul-Americana e o Campeonato Brasileiro.
Vamos lá Fogão!!!

VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!!!

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Libertadores da América Oitavas de Final

Vasco e Fluminense passam de fase na Liberta. Foram dois jogos difíceis, o time da Colina teve que decidir nos penais, já que o Lanus devolveu a derrota pelo mesmo placar da partida de ida, em São Januário.
Já o Fluminense, que tinha empatado sem gols lá em Porto Alegre, teve que virar o jogo com o Internacional no Engenhão e segurou a vitória numa pressão enorme do Colorado.
Local: Estádio Ciudad de Lanús, em Lanús (Argentina)
Data: 9 de maio de 2012
Árbitro: Carlos Amarilla (Paraguai)
Assistentes: Darío Gaona (Paraguai) e Hugo Martínez (Paraguai)
Cartões amarelos:Pizarro, Braghieri, Fritzler e Pavone (Lanús); Rodolfo e Fernando Prass (Vasco)
GOLS
LANÚS: Pavone, aos 15min do segundo tempo; Gutiérrez, aos 32min do segundo tempo
VASCO: Nílton, aos 18min do primeiro tempo

LANÚS: Agustín Marchesín, Carlos Araujo, Paolo Goltz, Diego Braghieri e Maximiliano Velázquez; Matías Fritzler, Guido Pizarro (Teófilo Gutiérrez), Mauro Camoranesi e Diego Valeri (Silvio Romero); Mario Regueiro e Mariano Pavone
Técnico:Gabriel Schurrer

VASCO: Fernando Prass, Fagner, Renato Silva, Rodolfo e Thiago Feltri; Rômulo, Nílton (Felipe), Juninho Pernambucano e Diego Souza (Allan); Eder Luis (Carlos Alberto) e Alecsandro
Técnico: Cristóvão Borges
Valeu pelo resultado, classificação garantida para as quartas-de-final da Liberta. Mas não precisava ser tão sofrido. O time vascaíno fez um primeiro tempo melhor, controlou bem as ações, teve até maior posse de bola do que o time argentino, mas no segundo tempo a coisa ficou feia... O Vasco recuou demais e permitiu a reação do adversário. 
Nilton, foi a grande surpresa de Cristóvão. O volante entrou na vaga do Felipe para fechar o meio campo. E parece que surtiu efeito. O Lanus não ameaça tanto e o Vasco tocava a bola com tranquilidade. Juninho Pernambucano deu um bom passe para Nilton arriscar um chute de fora da área. A bola fez uma bela curva e entrou no canto, aos 18 minutos de jogo. Com a vitória, o time cruzmaltino deixou o jogo a sua feição.
Mas na segunda etapa o técnico do Lanus jogou o time para o ataque de vez. E a boa marcação do time vascaíno afrouxou demais... A pressão era tamanha e o Vasco começava a dar sinais que não ia aguentar...
Aos 15 minutos Pavone fez o gol de empate. Cristóvão tratou de jogar o time mais ainda para a defesa, com Allan na vaga do sumido Diego Souza. Mas não adiantou...
Aos 33 Gutiérrez fez o gol da virada, depois de pegar um rebote do Fernando Prass.
Aí o treinador vascaíno mudou para tentar voltar ao jogo, com Felipe e Carlos Alberto nas vagas de Nilton e Éder Luiz. Mas não resolveu, o Vasco não chegou ao empate que te daria a vaga direto nas quartas. Como o Lanus também não conseguiu chegar ao terceiro gol, a decisão foi para os pênaltis.
Nas cobranças o Vasco foi perfeito, acertou todas as cinco cobranças, enquanto o Lanus perdeu uma, com  Romero, que acertou no travessão. E ainda coube ao Alecsandro que vive perdendo pênaltis, a ultima cobrança, mas dessa vez ele parece ter treinado melhor e garantiu o Gigante da Colina na próxima fase.
Agora, vem o Corinthians, um adversário infinitamente mais forte do que o Lanus e esse futebol do Vasco precisa melhorar e muito, senão vai ver o restante da Libertadores pela televisão.
Saudações vascaínas!!!



Local: Estádio Olímpico João Havelange, Rio de Janeiro (RJ) 
Data: 10 de maio de 2012
Público: 29.430 pagantes Renda: R$ 1.080.315,00
Árbitro: Wilson Seneme (Brasil) 
Assistentes: Carlos Berkenbrock (Brasil) e Marcelo Van Gasse (Brasil) 
Cartão Amarelo: Jean, Bruno e Carlinhos (Fluminense);Rodrigo Moledo, Índio(Inter) 
Gols: FLUMINENSE: Leandro Euzébio aos 15 e Fred aos 45 minutos do primeiro tempo 
INTER: Leandro Damião aos 13 minutos do primeiro tempo

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Edinho, Jean, Deco (Valencia) e Thiago Neves; Rafael Sobis (Marcos Júnio) e Fred (Rafael Moura) 
Técnico: Abel Braga

INTERNACIONAL: Muriel, Nei, Rodrigo Moledo, Índio e Fabrício; Sandro Silva, Pablo Guiñazu (Dagoberto), Tinga (Jô), Oscar e Dátolo (Jajá); Leandro Damião 
Técnico: Dorival Júnior
A virada tricolor!

Não precisava ser tão sofrido, mas o Flu venceu em jogo pra lá de dramático, noite de brilho, mas também de muitas falhas, o feito ofusca mas não apaga os erros da partida.

Vou ser muito sincera; acredito plenamente nas chances de título de nosso time, por alguns fatores: primeiro, nosso crescimento em jogos difíceis, certamente será decisivo. Segundo: confiança. Além do grupo ser muito unido, o Abel tem o time na mão, acredito que tenha amadurecido. E digo amadurecido não tecnicamente, pois técnica o time tem de sobra (pelo menos do meio para frente), mas no sentido psicológico. O maior inimigo desse elenco é ele mesmo: fica nervoso na hora errada, o time parece jogar com um peso enorme nas costas, não consegue acertar passes seguidamente, não acha espaço, joga feio e na base do chuveirinho… Mas quando ganha CONFIANÇA, tudo muda, parece outro time. Controla o jogo de maneira esplendorosa,vamos ao jogo

Jogo difícil, jogo onde qualquer erro pode ser fatal, qualquer descuido é crucial, se não foi na técnica, a raça prevaleceu.

O inter é time chato, na verdade todo time sulista tem um futebol pegado, é um time de jogadores grandes e rápidos.
No primeiro tempo o jogo tava equilibrado, pesado e brigado o tempo todo, com as duas equipes concentradas e partindo para o ataque, que durou 13 minutos, até que Leandro Damião recebeu de Oscar e abriu o placar para o 'Colorado'.
Eu disse: Meu Deus e agora? Mas em sequência parecida Thiago Neves bate falta pra Leandro Eusebio empatar a partida, fui ao delírio, os times continuaram guerreando em campo mas os Deuses do Futebol estavam ao nosso favor e aos 45, gol do Flu, Fred de cabeça, em jogada ensaiada, numa falta cobrada por Thiago Neves, veio a virada tricolor 
E no segundo tempo podiamos jogar diferente. SEM O DESESPERO , SEM A PRESSAO, SEM O PANICO, haja coração amigos, o Inter a todo tempo rondava a área tricolor com muito perigo, o Fluminense se defendia como podia. Abel fez o que tinha que fazer EXATAMENTE na hora que tinha que fazer, (Isso é futebol. Tem que fazer o que PODE e DEVE, nao o que QUER, O time esta de parabéns.)
Esse Inter é um time ENCARDIDO de DIFÍCIL jogo cheio de PRESSAO, TENSÃO e OBRIGATORIEDADE DE VENCER e por isso foi MASCADO e ” FEIO ” ( para os modinhas )
Pra mim foi UM SHOW,veio a classificação!

Ainda acho que o tricolor precisa aprender a jogar sem a bola. Ter um padrão mais consistente no sistema defensivo. Não podemos sempre depender de uma dia iluminado do ataque ou de falhas adversárias.

Deco não fez uma boa partida, muito marcado, não consegue jogar, mais mesmo que não esteja tão bem, não pode sair do time. Desempenha uma função que poucos fazem na equipe. Repito, não dá para sacar o homem das assistências da equipe, pois a qualquer momento ele pode surpreender

Fred joga muito, faz sensacionais golaços, tem uma inegável liderança sobre o grupo que formam o time do Flu e, quando quer, faz a diferença. Foi, é, e espero que continue sendo, decisivo nesse time, na minha opinião o Valência é muito , mais muito melhor que o Edinho. vamos que vamos pois temos muito chão para percorrer, vem aí o Boca , pois é amigos mais emoção a vista, coração de tricolor é coração forte, e está preparado para tudo!

Valeu demais pelo jogo emocionante, pra quando daqui a 10 anos, lembraremos dessa noite. Mas a verdade e que não tinha necessidade desse jogo se tornar histórico. Mas já estou acostumada, com o Fluminense é assim mesmo. Foi no sufoco, mas acredito que daqui em diante a coisa vai melhorar. É só ter mais paciência e presença em campo. Vamos ter fé e pensamento positivo! Todos nós sabemos que para o Fluminense, não existe o impossível e sim a tradição do Tricolor! ST!



VALEU GALERA, ATÉ A PRÓXIMA!!